Reprodução
Reprodução

Allan Jesus, ex-empresário do Luva de Pedreiro, diz que está sofrendo ameaças de morte

Agente se pronuncia após ser acusado de roubar contas do TikTok e do WhatsApp do influenciador

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2022 | 12h15

Allan Jesus, ex-empresário do influenciador Iran Ferreira, popularmente conhecido como Luva de Pedreiro, usou as redes sociais na noite deste domingo para relatar que está sofrendo ameaças de morte. O agenciador negou as acusações de que teria hackeado as contas do TikTok e do WhatsApp do jovem. 

"Venho aqui mais uma vez me pronunciar sobre as acusações levianas e falsas que eu estou recebendo. Eu estou sendo ameaçado de morte, a minha família, a minha esposa, os meus filhos", disse Allan. "Vazaram todos os meus dados pessoais, vazaram todas as minhas informações na internet", denunciou o agente.

Segundo ele, a nova equipe do Luva de Pedreiro não substituiu o e-mail de segurança da conta do TikTok do influenciador ao eliminar o login de Allan - um dos dois conectados ao perfil. No entanto, o código para liberar o acesso estava sendo enviado para o empresário. Ele alega só ter sido contatado para compartilhar o código depois das acusações de Iran nas redes sociais. Resumindo, disse que é um problema técnico.

Ainda de acordo com Allan, as ameaças que ele e sua família vêm recebendo o fizeram cancelar algumas linhas de telefone que estavam em seu nome, incluindo a que Luva usava para se concetar ao WhatsApp. Seria este o motivo pelo qual o garoto do "receba!", expressão que ele usava a cada fim de postagem, não estaria conseguindo se conectar ao aplicativo de conversas.

"Uma vez que ele decidiu seguir sem mim, sua equipe deveria ter orientado hoje mesmo a ir buscar uma outra linha de telefone para que ele pudesse usar. Estou cancelando algumas linhas de telefone para que eu pare de receber ameaças e para que eu preserve a minha integridade", argumentou o empresário, confirmando também que ambos estão, de fato, rompidos. 

Luva de Pedreiro x Allan Jesus: entenda o caso

Com cerca de 30 milhões de seguidores nas redes sociais, Luva de Pedreiro terminou as relações com o empresário Allan Jesus após ambos entrarem em rota de colisão por questões financeiras. Apesar de ter fechado acordos milionários, com empresas como a Amazon e a Pepsi, o influenciador teria na conta corrente somente R$ 7,5 mil. O agente negou irregularidades e afirmou que alguns pagamentos a seu cliente estão programados para o mês de julho e que o montante a ser recebido chegaria a R$ 2 milhões. 

Allan Jesus anunciou recentemente que contratou uma perícia para auditar recibos e notas bancárias do que foi investido na parceria com o influenciador, com quem sua empresa possui contrato até 2026. Segundo ele, cerca de R$ 200 mil foram gastos com "despesas do projeto e despesas pessoais do Iran". A empresa de Allan, a ASJ Consultoria, afirma ainda que a rescisão com o influenciador não foi comunicada formalmente. "A única coisa que temos são indícios espalhados pela internet de um suposto novo agenciamento, o que poderia configurar quebra de exclusividade", informou em nota. 

Quem é o Luva de Pedreiro?

Natural de Quijingue, pequena cidade de 27 mil habitantes a 320 quilômetros de Salvador, na Bahia, Iran Ferreira ganhou destaque nas redes com vídeos publicados no Instagram e no Tik Tok. Em um campo de várzea, ele mostra a sua habilidade com chutes no ângulo, seguido do bordão "receba!" 

Autointitulado Luva de Pedreiro - adereço que começou a usar para imitar os jogadores que se protegem do frio no inverno europeu -, os vídeos do jovem rapidamente viralizaram pelo mundo da bola. Neymar, jogadores do Bayern de Munique, Nenê (Vasco) e até mesmo o filho de Cristiano Ronaldo já reverenciavam o talento do baiano, que é o influenciador de futebol mais seguido no Instagram (14 milhões de pessoas). 

De lá para cá, Iran Ferreira teve a oportunidade de assistir a seleção brasileira jogar no Maracanã, andou de avião pela primeira vez, viu a final da Liga dos Campeões entre Real Madrid e Liverpool e lançou uma linha de roupas casuais. Ele agora reclama da falta de dinheiro de suas transações e da impossibilidade de continuar fazendo seus vídeos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.