Sirli Freitas / Chapecoense
Sirli Freitas / Chapecoense

Mais experiente, Chapecoense estreia na Copa Libertadores contra o Nacional-URU

Alviverde catarinense tem quatro desfalques para a partida: Canteros, Elicarlos, Moisés Ribeiro e o atacante Vinícius

Estadao Conteudo

31 Janeiro 2018 | 07h18

A surpreendente oitava colocação no Campeonato Brasileiro de 2017, combinado com a superação após o acidente aéreo que vitimou grande parte da delegação no final de 2016, resultou à Chapecoense uma vaga na segunda fase da Copa Libertadores. A sua estreia na atual temporada vai acontecer nesta quarta-feira diante do Nacional, do Uruguai, às 21h45, na Arena Condá, em Chapecó (SC).

+ Chapecoense é indicada em duas categorias do Prêmio Laureus, o Oscar do Esporte

+ 'Aceitar a Chapecoense foi a minha melhor escolha', diz Kleina

Coincidentemente, os dois adversários estiveram no mesmo grupo da Libertadores no ano passado e o time uruguaio levou a melhor. Em casa, fez 3 a 0 na equipe catarinense. Em Chapecó, empatou por 1 a 1. Na tabela de classificação, avançou na vice-liderança do Grupo 7 com oito pontos, contra 13 do argentino Lanús. A Chapecoense ficou com sete devido à perda de pontos pela escalação irregular do zagueiro Luiz Otávio.

Atual campeã, a Chapecoense vive um bom momento no Campeonato Catarinense, onde lidera com 10 pontos - o time ainda não perdeu. Já o Nacional, de folga do Campeonato Uruguaio, terminou o torneio nacional na terceira posição em 2017.

O técnico Gilson Kleina não revelou o time que vai entrar em campo diante do Nacional, mas revelou que não poderá contar com Moisés Ribeiro, diagnosticado com uma lesão de grau 1 no adutor da coxa. Além dele, Canteros, Elicarlos e Vinícius seguem entregues ao departamento médico.

Por outro lado, o treinador poderá contar com os recém-contratados. São eles: o zagueiro paraguaio Neri Bareiro e o lateral-direito Vinícius. O intuito é que ambos fiquem como opção no banco de reservas para serem aproveitados durante a partida. Lucas Mineiro deve ser a novidade no time titular.

"Hoje a Chapecoense é um time mais maduro, que entende mais como é disputar uma Libertadores. Vamos pegar um adversário tradicional nesta competição, mas temos a certeza que poderemos encarar de igual para igual para sair com o resultado positivo", previu Gilson Kleina.

No Nacional, a principal dúvida é em cima de Jorge Fucile. O ex-lateral-esquerdo da seleção uruguaia está recuperado de lesão, mas como não está 100% fisicamente pode iniciar o duelo do banco de reservas. Caso se confirme, Zunine deve ser seu substituto. Já o capitão Diego Polenta é desfalque certo. O jogador negocia seu retorno para o futebol italiano e, por isso, acabou afastado para resolver a sua situação.

"Não terminamos 2017 da melhor maneira, mas estamos bem e ansiosos para iniciar o ano da melhor forma possível. Consideramos um empate no Brasil um bom resultado, pois vamos decidir em nosso estádio. Nosso objetivo é entrar na fase de grupos e vamos lutar por isso", prometeu o meia Arismendi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.