Andy Rain / EFE
Andy Rain / EFE

Manchester City confirma favoritismo e é tricampeão da Copa da Liga Inglesa

Aguero e Rodri colocam o time de Guardiola em vantagem; Samatta diminui para o Aston Villa, que pressiona mas não chega ao empate

Redação, Estadão Conteúdo

01 de março de 2020 | 16h54

O Manchester City é tricampeão da Copa da Liga Inglesa. A equipe comandada por Pep Guardiola conquistou neste domingo seu terceiro título consecutivo no torneio com a vitória por 2 a 1 sobre o Aston Villa, no Estádio Wembley, em Londres. Assim, o treinador espanhol garantiu mais uma temporada com pelo menos um troféu conquistado.

Desde que assumiu o comando da equipe principal do Barcelona, em 2008, Guardiola só passou uma temporada em branco: 2016/2017, a sua primeira como treinador do City. Antes disso, pelo clube catalão e pelo Bayern de Munique, e depois, pela equipe de Manchester, o treinador sempre levantou pelo menos uma taça a cada temporada.

O City pisou no gramado de Wembley na condição de favorito absoluto. Em janeiro, as duas equipes se enfrentaram em Birmingham, pelo Campeonato Inglês, e os atuais bicampeões nacionais golearam por 6 a 1. Apesar disso, o Villa começou a decisão jogando com coragem e El Ghazi quase abriu o placar aos dois minutos com uma cabeçada que saiu por pouco.

As coisas iam bem para os azarões, mas isso mudou aos 19 minutos. Um lançamento para a área do Villa encontrou a cabeça de Foden e o jovem meia ajeitou para o argentino Sergio Agüero abrir o placar. Era exatamente do que o City precisava para assumir o controle da partida.

Dez minutos depois, o time de Manchester dobrou sua vantagem quando um escanteio foi muito bem aproveitado pelo volante Rodri, que balançou a rede com uma poderosa cabeçada.

Parecia que uma nova goleada estava a caminho, mas o Aston Villa mostrou estar disposto a fazer algo diferente desta vez. Aproveitando uma falha do zagueiro Stones, o time de Birmingham diminuiu a desvantagem no marcador com um gol de cabeça de Samatta.

Ressabiado com o tento do Villa, o Manchester City resolveu ser conservador na segunda metade do jogo e o ritmo da decisão caiu. Com a entrada em cena de Kevin de Bruyne, que estava no banco de reservas (assim como Gabriel Jesus), o time de Guardiola voltou a acelerar e teve algumas chances para marcar o terceiro gol, mas não as aproveitou.

Nos minutos finais, sem nada a perder, o Aston Villa se lançou ao ataque e por muito pouco não conseguiu uma recompensa. Aos 42 minutos, Engels cabeceou para o gol e o goleiro chileno Bravo fez uma grande defesa antes de a bola tocar na trave. Um susto incrível para a torcida do City e uma frustração enorme para a turma de Birmingham, que não teve outra chance como aquela e viu o adversário dar mais uma volta olímpica em Wembley.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.