Washington Alves / Cruzeiro
Washington Alves / Cruzeiro

Mano mantém mistério e indica que deve escalar Raniel no ataque do Cruzeiro

Equipe enfrenta o Bahia neste domingo, pelo Campeonato Brasileiro

Estadão Conteúdo

15 de setembro de 2017 | 14h23

O técnico Mano Menezes evitou confirmar a escalação do Cruzeiro para o duelo com o Bahia, mas indicou que Raniel é o favorito para ser escalado no comando do ataque no confronto de domingo, no Mineirão, válido pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro. Assim, o jovem, de 21 anos, deve ocupar a vaga que costuma ser de Sassá, que sofre com dores no joelho direito.

"Ainda não temos a equipe que vai jogar, vamos fazer os últimos treinamentos para definir isso. Provavelmente depois do treino. Sassá está com uma dorzinha no joelho, não participou dos últimos treinamentos e é bem provável que Raniel inicie o jogo no domingo", afirmou Mano.

A escalação de Raniel também é um teste visando a finalíssima da Copa do Brasil, diante do Flamengo, pois Rafael Sobis está suspenso para o confronto, que será em 27 de setembro, no Mineirão. A outra opção do treinador seria utilizar o uruguaio Arrascaeta mais adiantado.

Apesar da ansiedade pela decisão, Mano pede o time atento diante do Bahia e indica que vai utilizar os titulares. "Tem de ter foco. Quando uma equipe chega a uma final, só se fala disso, mas paralelamente você disputa outro campeonato importante, que é o Brasileiro. E não podemos esquecer que não se ganha jogos se não houver dedicação total. Você tendo uma semana para trabalhar em função de um jogo certamente o rendimento melhora. Já para o jogo com o Atlético-GO, pela proximidade da Copa do Brasil, vamos pensar no que fazer. Mas chegar na reta final e na final da Copa do Brasil rendendo bem, é muito importante", declarou.

Assim, o Cruzeiro deverá entrar em campo com a seguinte formação no domingo: Fábio; Ezequiel, Leo, Murilo e Diogo Barbosa; Henrique, Hudson, Robinho, Thiago Neves e Rafinha; Raniel.

Mano espera que o time conquiste um bom resultado para ser consolidar no G6 do Brasileirão, a zona de classificação para a próxima edição da Libertadores, e siga embalado até a decisão "No Campeonato Brasileiro não dá para ter altos e baixos, deixar para depois. Se estamos em sexto e não em primeiro é em função de oscilações demasiadas. O importante é que o Cruzeiro estará forte e com todo mundo sabendo o que tem de fazer", disse o treinador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.