SKYSCRAPPERCITY/TOTTENHAM HOTSPUR
SKYSCRAPPERCITY/TOTTENHAM HOTSPUR

Mesmo com negociações e visitas, seleção deixa Londres satisfeita com privacidade

Ações de marketing da CBF puderam ser observadas diariamente no CT do do Tottenham

Almir Leite, enviado especial / Londres, O Estado de S.Paulo

08 Junho 2018 | 11h02

A privacidade planejada pela seleção brasileira durante a estada no CT do Tottenham, que se encerra nesta sexta-feira, não foi abalada. Mas o local não ficou totalmente lacrado como pretendia a comissão técnica na preparação para a Copa do Mundo. Na parada por Londres, jogadores receberam representantes e amigos, torcedores acabaram assistindo a treino e até contratos foram fechados.

+ Fred fica fora de treino e preocupa a seleção brasileira

+ Moscou faz últimos retoques antes da abertura da Copa do Mundo

As ações de marketing da CBF puderam ser observadas diariamente. A cada treino, um grupo de funcionários ou convidados de patrocinadores, como o Banco Itaú, puderam ter acesso às atividades, em uma arquibancada separada da em que ficavam os integrantes da imprensa. Eram grupos pequenos, de no máximo 30 pessoas, que chegavam ao CT em ônibus fretado. Essas iniciativas são consideradas importantes para a chamada ativação das parceiras. Já haviam ocorrido na Granja Comary, na primeira semana de preparação, e irão se repetir em Sochi.

A estratégia rendeu frutos. Foi durante estes dias que o departamento de marketing da CBF renovou o contrato com os Laboratórios Cimed. O compromisso vai até a Copa de 2022, que vai ser disputada no Catar.

 

Jogadores como Philippe Coutinho, Danilo e Marcelo, entre outros, também tiveram contato com amigos e membros de seu estafe. Douglas Costa foi avisado da compra de seus direitos pela Juventus no CT do Tottenham. Já Fred aproveitou o dia de folga para ir a Manchester e assinar contrato por cinco anos com o United.

Os "torcedores comuns", que praticamente não apareceram na porta do CT, localizado numa região bastante calma e muito afastada da "muvuca" de Londres. Mas na quinta-feira três brasileiras que moram na Inglaterra conseguiram furar o bloqueio, por conhecerem um funcionário do Tottenham, e tiveram acesso tranquilo ao treino, misturando-se com os jornalistas.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.