Atlético
Atlético

Ônibus do Atlético-MG é atacado em chegada ao Maracanã para jogo com o Flamengo pela Copa do Brasil

Não houve registro de feridos no acidente; torcedores se envolvem em confusão no entorno do estádio

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2022 | 21h01

O ônibus que levava a delegação do Atlético-MG para o Maracanã foi apedrejado e teve um de seus vidros quebrados. A equipe mineiro enfrenta nesta quarta-feira o Flamengo em busca de um lugar nas quartas de final da Copa do Brasil. O jogo de ida terminou com vitória atleticana por 2 a 1.

O apedrejamento ao ônibus não resultou em nenhum ferido. Fora do estádio, no entanto, alguns torcedores do Atlético-MG entraram em confronto com seguranças do Maracanã, apesar de todo o esquema montado para que não houvesse problemas na organização do jogo. Rubro-negros derrubaram grades de segurança e invadiram o estádio. O clima hostil toma conta da região.

A rivalidade entre Atlético-MG e Flamengo tem se acentuado nos últimos tempos, principalmente pela disputa do Campeonato Brasileiro de 2021. Nesta temporada, as equipes mediram forças na Supercopa do Brasil, e o título ficou com o clube mineiro.

Mas foi na partida de ida das quartas de final que o ambiente azedou dentro e fora dos gramados. Na saída de campo após a derrota no Mineirão, o atacante Gabigol disse que no Maracanã, na partida de volta, o Atlético-MG encontraria o inferno. "Quando eles forem lá (Rio), vão conhecer o que é pressão e inferno", afirmou o centroavante rubro-negro.

A frase de Gabigol levou o Atlético-MG a protestar junto ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva, pedindo punição ao atacante por incitar o ódio entre os dois clubes. O time mineiro se reuniu na última semana com o Ministério Público Federal e a Polícia Rodoviária para a montagem de um esquema especial para o translado dos torcedores do Atlético de Minas para o Rio. Havia preocupações com emboscadas e ataques durante o trajeto.

Órgãos de segurança, diante da classificação do Ministério Público do Rio como um evento de alto risco, decidiram reforçar o contingente policial. Mais de 600 policiais do Batalhão de Ações com cães, ao lado do Choque e da Cavalaria foram deslocados para o Maracanã. Motoristas foram orientados a não circular pela região nas horas que antecedem e sucedem o jogo pela Copa do Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.