Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Palmeiras supera erro da arbitragem, derrota o Cruzeiro e coloca pressão nos rivais

Time alviverde assume a liderança provisória do Brasileiro e fica na torcida contra São Paulo e Internacional para garantir a ponta da tabela na rodada

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2018 | 12h58

Para quem achava que o Palmeiras poderia sentir o fato de ter sido eliminado da Copa do Brasil, o time comandado por Felipão deu uma resposta imediata e justamente contra quem o tirou da competição. Superando um grave erro da arbitragem, a equipe alviverde teve grande atuação e derrotou o Cruzeiro por 3 a 1, no Pacaembu, assumindo provisoriamente a liderança do Campeonato Brasileiro.

Com o resultado, o Palmeiras chegou aos 53 pontos, dois a mais que o São Paulo, que joga ainda neste domingo, contra o Botafogo, no Rio de Janeiro. O Internacional, que também pode ultrapassar o Alviverde, enfrenta na mesma hora o Vitória, no Beira-Rio. 

Para animar ainda mais os palmeirenses, o próximo compromisso da equipe no Brasileirão é justamente contra o São Paulo, sábado que vem, no Morumbi. Mas antes, o time deixa de lado o Brasileiro e foca suas atenções na Libertadores. Na quarta-feira, a equipe comandada por Luiz Felipe Scolari enfrenta o Colo-Colo, às 21h45, em casa, pelo jogo de volta das quartas de final da competição. No primeiro jogo, realizado no Chile, a equipe alviverde venceu por 2 a 0. O Cruzeiro volta a campo na quinta-feira para enfrentar o Boca Juniors, também pela Libertadores. No primeiro confronto, a equipe mineira foi derrotada por 2 a 0. 

A partida começou com o Palmeiras tendo mais a posse de bola e tentando jogar diante de um Cruzeiro fechado e que claramente apostava no contra-ataque. Aos poucos, a equipe alviverde conseguiu encontrar espaços e chegava com perigo ao gol de Rafael. O caminho mais explorado foi pelo lado direito, com Marcos Rocha, que foi bastante acionado na primeira metade do jogo. 

Foi justamente pela direita que o Palmeiras abriu o placar.Aos 22, após uma sequência de arremessos laterais, o Palmeiras teve escanteio cobrado por Dudu, a zaga cortou e no rebote Lucas Lima pegou de fora da área. A bola desviou em Ariel Cabral e não deu chance para o goleiro Rafael. A partida passou a ter dois times mais dispostos a jogar e criar oportunidades de gol, até que o árbitro, com a ajuda de seus auxiliares, cometeu um grave erro. 

O paraguaio Gustavo Gómez foi cortar uma bola de cabeça e colocou o braço na bola fora da área, mas a arbitragem viu pênalti, para a revolta dos palmeirenses. Mancuello bateu a penalidade e deixou tudo igual. O Palmeiras deu uma desestabilizada e passou a exagerar nas faltas e nas reclamações.

Até que aos 43, Dudu dominou pela direita, que continuou livre para os palmeirenses, e cruzou na medida para Hyoran desviar de cabeça e deixar o time alviverde novamente na frente. No intervalo dos tempos, o diretor de futebol do Palmeiras, Alexandre Mattos, foi até a entrada dos vestiários reclamar com a arbitragem, que foi protegida por policiais militares. 

No segundo tempo, o Palmeiras manteve a intensidade e, como tem acontecido nos últimos jogos, em momento algum se mostrou satisfeito com o resultado e foi para o ataque. O Cruzeiro também decidiu sair mais para o jogo e o técnico Mano Menezes optou pelas entradas de Arrascaeta e Fred, que retornou aos gramados após seis meses se recuperando de lesão. Era o tudo ou nada do cruzeirense. 

Felipão reagiu e acertou em cheio. Ele colocou Willian no lugar de Dudu e em seus primeiros lances, o atacante partiu pela direita, cruzou rasteiro e Marcelo Hermes tentou cortar com um carrinho, mas desviou a bola com o braço e o árbitro marcou pênalti. 

Gustavo Gómez cobrou pênalti, Rafael quase pegou, mas não evitou o terceiro gol palmeirense. Festa no Pacaembu do novo líder do Campeonato Brasileiro, pelo menos por algumas horas. Com a vantagem ainda maior, foi só deixar o tempo passar e garantir mais um bom resultado, que dá ainda mais motivação para o duelo com o Colo-Colo.

FICHA TÉCNICA

Palmeiras: Fernando Prass; Marcos Rocha (Mayke), Luan, Gustavo Gómez e Victor Luis; Felipe Melo, Bruno Henrique e Lucas Lima (Moisés); Hyoran, Deyverson e Dudu (Willian)

Técnico: Luiz Felipe Scolari

Cruzeiro: Rafael; Ezequiel, Manoel, Léo e Marcelo Hermes; Ariel Cabral, Bruno Silva (Rafael Sobis), Lucas Romero, Mancuello e David (Arrascaeta); Raniel (Fred)

Técnico: Mano Menezes

Gols: Lucas Lima, aos 22, Mancuello, aos 30, e Hyoran, aos 43 do 1º Tempo; Gustavo Gómez, aos 20 do 2º Tempo

Cartões amarelos: Mancuello, Gustavo Gómez, Felipe Mello, Ezequiel, Marcelo Hermes, Fred, Hyoran, Léo, Manoel, Deyverson e Moisés

Público: 35.654 torcedores

Renda: R$ 1.260.130,00

Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA)

Local: Pacaembu, em São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.