Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians e Cesar Grecco/Agência Palmeiras
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians e Cesar Grecco/Agência Palmeiras

Passado no rival se torna motivação extra em Palmeiras x Corinthians

Lista de jogadores que já estiveram do outro lado na decisão chega a nove. Em comum, a vontade de vencer o antigo clube

Ciro Campos e Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2018 | 17h07

Corinthians e Palmeiras fazem um clássico em que alguns jogadores que estarão em campo sabem o que significa defender o outro lado. Os times contam com nove atletas que já vestiram a camisa do rival e podem, de alguma forma, entender um pouco o que o adversário sente para a decisão. São os casos de Henrique, Gabriel, Marquinhos Gabriel e Vilson, entre os corintianos, e de Antônio Carlos, Edu Dracena, Bruno Henrique, Willian e Weverton, atualmente palmeirenses.

+ Após treino fechado, Corinthians confirma time para encarar o Palmeiras

+ Mais de 31 mil torcedores vão ao treino aberto do Palmeiras na arena

O clássico, inclusive, deve ter um confronto direto de “vira-casacas”: o zagueiro Henrique, que defendeu o Palmeiras em 2008 e entre 2011 e 2014, vai marcar o atacante Willian, que jogou no Corinthians entre 2011 e 2012. Quando estavam em lados opostos, se enfrentaram três vezes, como uma vitória para cada lado (ambas por 2 a 1) e um empate por 0 a 0.

Henrique evita falar de seu passado alviverde. Sempre que questionado, muda o assunto. Willian diz que não se incomoda. “A gente sabe que os torcedores têm uma rivalidade muito grande, mas da minha parte sempre houve respeito por onde passei. Então, isso me tranquiliza. O respeito é o que vai nos blindar e fortalecer a nossa atitude.”

O palmeirense Antônio Carlos até já fez gols de título para o Corinthians. Ele balançou as redes duas vezes na vitória por 2 a 1 sobre o Fluminense, na decisão da Copa São Paulo de 2012. Ficou no time alvinegro até 2014 e saiu sem ter muitas oportunidades.

Gabriel e Bruno Henrique também podem se encontrar durante o jogo. O corintiano defendeu o Alviverde entre 2015 e 2016 e ganhou o respeito por sua dedicação em campo. Saiu pela porta dos fundos, mas passou a ser tratado de outra forma pelos palmeirenses quando chegou ao Corinthians e alfinetou o ex-clube algumas vezes. 

Ele já comentou que o Palmeiras não tem título mundial – embora o clube pleiteie a Copa Rio de 1951 como a conquista global –, disse que a melhor decisão da carreira foi ter trocado de clube e revelou ao Estado que é corintiano desde a infância. 

“Hoje, penso só no Corinthians e sou feliz aqui. Sei que fiz a melhor escolha vindo para cá”, comentou o volante. 

Bruno Henrique adota uma postura mais equilibrada. “Tive minha história lá, respeito o clube, a instituição, mas vou defender as cores do Palmeiras com unhas e dentes”, explicou o volante, que será titular na decisão e defendeu o Corinthians entre os anos de 2014 e 2016.

Companheiro de Bruno Henrique no Corinthians, Edu Dracena reencontrou o colega no Palmeiras. O defensor atuou pelo adversário alvinegro em 2015, onde teve passagem discreta até se transferir para a equipe alviverde. Foi bem na temporada passada, mas perdeu espaço para os jovens Thiago Martins e Antônio Carlos neste ano.

O meia Marquinhos Gabriel, que deverá ficar no banco de reservas do Corinthians, defendeu o Palmeiras em 2014, ano de centenário do seu maior rival. Completam a lista dos ex-rivais, o goleiro Weverton, reserva do Palmeiras e que saiu da base do Parque São Jorge, e Vilson, que faz parte do time corintiano e teve passagem apagada pelo rival em 2013.

 

Tudo o que sabemos sobre:
CorinthiansPalmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.