Paulo Victor nega rótulo de herói e campeões invictos enaltecem elenco do Grêmio

Goleiro brilha na disputa por pênaltis e ajuda tricolor a conquistar o Campeonato Gaúcho

Redação, Estadão Conteúdo

18 de abril de 2019 | 00h46

A torcida do Grêmio parece não sentir mais falta de Marcelo Grohe, que foi negociado em janeiro com o Al Ittihad, da Arábia Saudita. Isso porque Paulo Victor não se incomodou com a pressão de substituir um ídolo e foi o responsável pela conquista do bicampeonato gaúcho nesta quarta-feira.

Depois de um empate sem gols com o Inter no tempo normal, a partida na Arena do Grêmio foi para os pênaltis. E brilhou a estrela de Paulo Victor, que defendeu as cobranças de Camilo, Cuesta e Nico López. Acabou sendo decisivo na vitória nos pênaltis por 3 a 2. O goleiro, porém, descartou o rótulo de herói.

"Eu não acho que sou um herói. Trabalho sempre com muita humildade e esse momento que estou vivendo é inesquecível. Quando você joga em time grande, a cobrança é grande, mas graças a Deus estou acostumado com isso", assegurou Paulo Victor.

Os demais jogadores gremistas enalteceram a qualidade do grupo que conquistou o Gaúcho de forma invicta: 11 vitórias e seis empates. Além disso, o time sofreu apenas um gol em 17 partidas e marcou 38. Não era campeão invicto desde 1965, portanto, há 54 anos.

"É para coroar tudo o que a gente vem fazendo nesse clube. Futebol só tem espaço para campeão e a gente está acostumado. Parabéns para o presidente, diretoria, comissão técnica e todos que estão envolvidos", comentou o capitão Maicon.

Principal contratação do Grêmio para a temporada, Diego Tardelli entrou no decorrer do jogo desta quarta-feira e converteu uma das cobranças de pênalti. O atacante comemorou o fato de ter conquistado os principais estaduais do Brasil.

"Estou feliz pelo primeiro título. Pude ser campeão paulista, carioca, mineiro e agora meu primeiro título aqui no Rio Grande do Sul. Pude contribuir com um gol na cobrança de pênalti, mas o mais importante é o título", disse Tardelli, que disse não se importar por ter batido mal o pênalti, quase defendido por Marcelo Lomba.

O centroavante André, que cobrou o último pênalti, após perder outro no tempo normal, só quis comentar a importância do gol na quinta cobrança. "O Renato falou que eu iria bater e dar o título ao Grêmio. Isso é que importa", completou, segurando as duas filhas no colo.

O Grêmio não vai ter muito tempo para comemorar, pois na terça-feira tem mais uma decisão. Dessa vez pela Copa Libertadores. Em terceiro lugar no Grupo H, com quatro pontos, o time vai até o Paraguai enfrentar o Libertad e só a vitória interessa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.