Divulgação
Divulgação

Poder e influência de Del Nero na gestão de Marin foram decisivos para punição

Del Nero era vice-presidente da CBF, mas os advogados de Marin informaram que era ele quem mandava na entidade entre 2012 a 2015

Raphael Ramos, Estadão Conteúdo

27 de abril de 2018 | 11h50

Para a decisão da Fifa de banir o presidente afastado da CBF, Marco Polo Del Nero, de qualquer atividade relacionada ao futebol por toda sua vida, pesou o poder de influência e decisão do ex-dirigente na gestão de José Maria Marin, que comandou o futebol brasileiro de 2012 a 2015 até ser preso em Zurique, na Suíça. Hoje, Marin está detido em Nova York, condenado por seis crimes de corrupção no futebol.

+ STF envia investigação contra dirigentes da CBF para Justiça do Rio

+ Sentença de Marin só será anunciada pela justiça americana em agosto

+ 'Tropa de choque' política ganha reforço na tarefa de blindar a CBF

Del Nero era vice-presidente da CBF, mas os advogados de Marin informaram ao Tribunal Federal do Brooklyn, onde o ex-cartola foi julgado, que era ele quem de fato mandava na entidade. Charles Stillman, advogado de Marin, chegou a dizer ao júri: "Marco Polo era quem mandava no show no futebol brasileiro. Os discursos pertenciam a Marin, mas as decisões eram de Del Nero. Ele era visto como quem mandava na CBF."

Os advogados de Marin lembraram também de planilhas secretas com informações sobre o pagamento de propinas nas quais constava a sigla "MP", em uma referência a Marco Polo. Del Nero é acusado de receber US$ 6,5 milhões (cerca de R$ 21 milhões) em subornos.

Mesmo como vice-presidente da gestão de Marin na CBF, Del Nero levou diretores da sua administração na Federação Paulista de Futebol (FPF) e vários funcionários para fazerem parte do comando da entidade. Alguns dos responsáveis por cuidar do dinheiro da CBF durante a gestão de Marin eram funcionários da confiança de Del Nero na FPF: Rogério Caboclo (então diretor financeiro e agora presidente eleito da entidade) e Gilnei Botrel (tesoureiro). Del Nero também levou à CBF o diretor de marketing Gilberto Ratto, que trabalhava com uma ex-patrocinadora da FPF.

Na CPI do Futebol, no Senado, em 2015, Andrés Sanchez, diretor de seleções da CBF de janeiro a novembro de 2012 e atual presidente do Corinthians, afirmou que a "estrutura era montada pelo Del Nero". Ainda segundo o dirigente, "quase todos os funcionários em cargos especiais eram de São Paulo, da Federação Paulista de Futebol".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.