Rodrigo Corsi| Ag. Paulistão
Jogadores da Portuguesa comemoram junto à torcida o retorno à elite do futebol paulista Rodrigo Corsi| Ag. Paulistão

Jogadores da Portuguesa comemoram junto à torcida o retorno à elite do futebol paulista Rodrigo Corsi| Ag. Paulistão

Portuguesa conta com grande apoio no Canindé e volta à elite do Paulistão após 7 anos

Equipe lusitana supera o Rio Claro na semifinal da Série A2 do Campeonato Paulista e garante acesso para 2023

Marcos Antomil , especial para o Estadão

Atualizado

Atualizado

Jogadores da Portuguesa comemoram junto à torcida o retorno à elite do futebol paulista Rodrigo Corsi| Ag. Paulistão

A Portuguesa está de volta à elite do Paulistão. A equipe lusitana ficou ausente da Série A1 do Estadual por sete temporadas. Tendo sido rebaixado na edição de 2015, o tradicional clube paulistano lutava por vaga na primeira divisão seguidas vezes, mas sempre batia na trave. Neste sábado, a história foi diferente, e a Lusa conquistou o acesso.

Para tal, a Portuguesa precisou ganhar do Rio Claro o jogo de ida, por 1 a 0. A partida de volta, disputada no Canindé, terminou empatada por 1 a 1. O resultado foi suficiente para tornar a equipe finalista da Série A2 do Campeonato Paulista e garantir o acesso para 2023. "É impressionante o apoio da torcida", disse Gustavo França, autor do gol da Lusa no duelo.

O estádio do Canindé foi tomado pelos uniformes rubro-verdes. Recebendo 12.968 pessoas, o público foi fundamental para apoiar a Portuguesa até o fim do jogo. A Lusa teve ótima campanha e liderou a primeira fase com ampla vantagem sobre os rivais. Nas quartas de final, eliminou o Primavera de Indaiatuba. E agora despachou o Rio Claro e está na final da competição, mas com a vaga garantida.

"Muito feliz de estar aqui, com a festa dessa torcida. A gente mereceu e espera que seja uma sequência de vitórias e glórias. É emocionante, a gente sabe da história. Torcedor, pode comemorar, ano que vem é Série A1!", iniciou Caio Mancha, um dos heróis do acesso. "Está bonite de se ver, são pessoas apaixonadas pelo clube", finalizou, visivelmente emocionado.

"Daqui a alguns anos vai cair a ficha e vamos entender o que fizemos pela Portuguesa. É um time querido aqui no Estado de São Paulo, a gente sabe o que ela sofreu, os rebaixamentos, mas agora voltamos merecidamente", destacou Daniel Costa. "Esse ano, a gente se fechou de uma maneira muito especial, respeitamos as decisões do treinador, e muitas vezes falam que no futebol não tem justiça, mas nossos números estão aí para mostrar que desta vez fizemos justiça, devolvemos um gigante para seu devido lugar, e agora vamos em busca do título na final", comemorou o experiente meio-campista.

O goleiro Thomazella, um dos grandes destaques na Portuguesa na campanha, foi às lágrimas ao relembrar a luta que trava junto ao filho, que está tratando um câncer. "Esse grupo está de parabéns, esse clube e essa torcida merecem muito. Estou feliz e honrado por tudo isso. Fico emocionado demais por tudo que passei antes da competição, com meu filho em tratamento de câncer. Tive um sonho, revelei isso durante o campeonato, agora vou poder erguer esse troféu junto com ele", disse o goleiro.

Desde o polêmico rebaixamento do Campeonato Brasileiro de 2013, a Portuguesa enfrentou crises política e financeira persistentes. Na ocasião, o time rubro-verde perdeu pontos pela escalação irregular do jogador Héverton, que estava suspenso pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva). A irregularidade foi notada pela entidade e por rivais, em especial o Fluminense, que liderou a acusação ao time do Canindé e se salvaria do rebaixamento em caso de punição ao time paulista. O imbróglio durou algumas meses, mas acabou com a confirmação da queda da Lusa para a Série B.

Os danos causados são imensuráveis. A Portuguesa não conseguiu se sustentar. Foi para a Série C já em 2014. Caiu para a Série D dois anos depois e ficou fora de qualquer divisão nacional entre 2017 e 2021, quando disputou novamente a Série D, graças à conquista da Copa Paulista de 2020. Nesta temporada, novamente estará ausente da última divisão nacional. Mas, o retorno à elite do Paulistão é o primeiro passo para obter uma vaga em 2024. O posto pode vir antes, em caso de novo título da Copa Paulista.

No Estadual, a sequência foi semelhante. Em 2015, a Portuguesa desceu para a Série A2 e ali ficou nos últimos sete anos. Ficou próxima do retorno à elite algumas vezes, mas nada se compara à campanha de 2022. Liderou a primeira fase (32 pontos) e se postulou logo nas rodadas iniciais como a principal candidata ao acesso. O Oeste foi o único time a incomodar a liderança lusitana e terminou a primeira etapa na segunda posição (30 pontos).

As finais da Série A2 do Campeonato Paulista estão previstas para os dias 13 (quarta-feira) e 17 de abril (domingo). A excelente campanha dá à Portuguesa a vantagem de decidir o Estadual em seu campo, o Canindé. O adversário será o São Bento, de Sorocaba, que empatou com o Oeste as duas partidas (2 a 2, na ida, e 1 a 1, na volta) e conquistou o acesso à Série A1 nos pênaltis (3 a 2) e vaga na decisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.