Bruno Teixeira/Agência Corinthians
Bruno Teixeira/Agência Corinthians

Protestos no Equador atrapalham preparação do Corinthians na Libertadores feminina

Ferroviária, outro time que representa o Brasil, chegou na quarta-feira e por enquanto não teve rotina alterada

Daniele Bellini e João Prata, O Estado de S.Paulo

10 de outubro de 2019 | 13h52
Atualizado 11 de outubro de 2019 | 11h21

O Corinthians e a Ferroviária se preparam para estrear na Libertadores feminina em meio ao caos que vive o Equador. A delegação alvinegra está desde domingo em Quito, capital do país, e teve um dos treinos cancelados por questões de segurança - a estreia será no sábado. A equipe do interior paulista desembarcou na quarta-feira e enfrentou menos problemas - o primeiro jogo será na sexta.

"A situação no país é realmente complicada. Nas ruas, são muitos protestos, alguns deles com conflitos e violência. Na terça-feira, precisamos deixar o hotel onde estávamos, no centro de Quito, por medida de segurança, a pedido do Comitê Organizador Local (COL). Lá está o foco das manifestações. Mas, apesar desse contexto estamos todos bem", afirmou o técnico do Corinthians, Arthur Elias.

A coordenadora de futebol feminino da Ferroviária, Ana Lorena Marche, relatou que ao chegarem no hotel na quarta-feira perceberam que o comércio local estava fechado, mas disse que as manifestações não estavam nas proximidades. "Estamos em contato direto com a Conmebol e CBF desde o início das manifestações para saber se teria alguma mudança na competição. Foi garantida toda a parte de segurança. Nosso voo não foi alterado, a parte de logística por enquanto também não foi alterada. A Conmebol estava no aeroporto e cedeu escolta."

O presidente do Equador, Lenín Moreno, decretou estado de exceção em todo o país no último dia 3 e anunciou a troca da sede do governo de Quito para Guayaquil. Os protestos da população são contra aumento de 123% no preço da gasolina. Nos últimos dias houve bloqueio de estradas em Quito e Guayaquil, as duas principais cidades do país. 

O aumento decorre da retirada de subsídios da gasolina, que vigorava no país há 40 anos, depois de o Equador ter fechado um acordo de US$ 2 bilhões com o Fundo Monetário Internacional (FMI). O objetivo do acordo é reduzir a dívida pública equatoriana, que tem aumentado desde que o país perdeu receita com a queda do preço do petróleo, a partir de 2014. 

A Conmebol garantiu que há segurança para acontecer o torneio mesmo com toda essa onda de protestos. O Comitê Organizador do torneio ofereceu escolta policial a todas as equipes que disputarão a Libertadores. "Estamos tendo todo o suporte, respaldo e atenção para tudo. Além disso, temos total apoio da presidência do clube e da direção da modalidade, na figura de Cristiane Gambaré, que nos acompanha aqui no Equador", disse Arthur.

 

Na quarta-feira, uma greve geral foi convocada por grupos indígenas e provocou o bloqueio de estradas, paralisações no transporte público e o fechamento do comércio em Quito e outras cidades do país. Por questões de segurança, o Corinthians não conseguiu treinar e realizou apenas atividade física no hotel.

"Estamos com uma delegação que oferece um grande apoio para as atletas e todas estão bem, com poucos problemas em relação a altitude. Algumas sentiram um pouco mais de cansaço e a Tainá buscou uma adaptação com a velocidade da bola. Tudo dentro do esperado", finalizou Arthur.

ESTREIAS

O conselho técnico da competição está previsto para acontecer no início da noite desta quinta-feira. Os clubes aguardam por orientações em relação aos próximos dias e como será o deslocamento para os jogos. A expectativa é que as datas e horários dos jogos não sejam alterados.

A estreia do Corinthians está marcada para sábado, às 19h (horário de Brasília), diante das equatorianas do Club Ñañas, com transmissão ao vivo do DAZN. O time alvinegro está no Grupo C, ao lado do América de Cali (COL) e do Libertad/Limpeño (PAR).

A Ferroviária está no Grupo B, junto o Deportivo Cuenca (Equador), Estudiantes Caracas (Venezuela) e Mundo Futuro (Bolívia). A equipe fará sua estreia nesta sexta-feira, às 21h30 (de Brasília), contra o Mundo Futuro.

Corinthians e Ferroviária vem de uma sequência de quatro confrontos. O time alvinegro levou a melhor no Campeonato Paulista e garantiu classificação à final com duas goleadas 4 a 0 e 5 a 1. A equipe de Araraquara, no entanto, com uma vitória nos pênaltis após dois empates, garantiu a taça de campeão brasileiro. A Libertadores pode ser o tira-teima dessa disputa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.