REUTERS/Christian Hartmann
REUTERS/Christian Hartmann

PSG prepara 'revolução' interna após manter Mbappé; Neymar tem contrato: entenda as mudanças

Clube francês vai demitir diretor brasileiro Leonardo e começa a reavaliar elenco, com novas contratações e alguns dispensas a partir desta semana; atacante da seleção tem mais três anos de vínculo, mas não está bem com a torcida

Pedro Ramos, O Estado de S.Paulo

23 de maio de 2022 | 08h00

O Paris Saint-Germain venceu o Real Madrid na queda de braço para contar com Kylian Mbappé, mas o trabalho continua. A imprensa francesa aponta que a manutenção do astro será seguida por grandes mudanças nos bastidores do clube. O diretor de futebol Leonardo vai deixar o PSG, segundo o jornal L'Equipe. O dirigente brasileiro foi, junto ao presidente do PSG, Nasser Al-Khelaifialvo da ira da torcida nas últimas temporadas, apesar dos títulos nacionais.

Leonardo teve uma passagem como diretor do PSG entre 2011 e 2013 e depois retornou ao clube parisiense em 2019. A situação do brasileiro foi parte das discussões envolvendo a extensão contratual de Mbappé até 2025.  O português Luis Campos, de 57 anos, é cotado para substituí-lo.

Campos foi responsável por contratações importantes no Monaco, entre 2013 e 2016, e tem boa relação com Mbappé. O perfil de reforços do dirigente português é de nomes fora dos principais holofotes nas janelas de transfrência, justamente o oposto do que o time fez nos últimos dez anos. Com suas descobertas, o clube monegasco foi campeão francês em 2017 após sua saída para o Lille, que levantou o caneco na temporada seguinte. Campos foi responsável pela contratação dos atacantes Burak Yilmaz e Jonathan David. A dupla marcou 29 gols na campanha do título francês.

O meia argentino Angel Di María se despediu do PSG na última rodada do Campeonato Francês e o clube deve ter mais mudanças no elenco. A atuação no mercado de transferências será tocada pelo próximo diretor de futebol, que terá total autonomia nas definições sobre contratações e dispensas. Neymar tem mais três anos de contrato, mas ele vive às turras com a torcida do Paris. Messi completou sua primeira temporada com a camisa da equipe francesa, seu segundo clube na carreira após o Barcelona. O argentino foi apenas razoável. Jogadores titulares devem deixar o PSG. 

Pocchetino pode dar adeus ao PSG

Outros setores do time também devem passar por reformulações, o que pode ser considerado uma "revolução" interna, de acordo com a imprensa francesa. O técnico argentino Mauricio Pochettin pode deixar Paris. Ele compõe a longa lista de treinadores do clube que conquistaram taças na França, mas fracassaram na Liga dos Campeões.

O treinador francês Christophe Galtier, campeão com o Lille na temporada passada, e atualmente no Nice, é um dos nomes na lista para assumir o comando do time. Zinedine Zidane é outro técnico cogitado, mas aguarda a definição sobre o comando da seleção francesa após a Copa do Mundo. Zidane sonha em substituir Didier Deschamps, mas ainda não há definição sobre o futuro do treinador após o Mundial. Marcelo Gallardo, do River Plate, também foi sondado.

Mbappé participou de 74 gols em 52 jogos na temporada

Aos 23 anos, Mbappé já colecionou 14 troféus, sendo o principal a Copa do Mundo de 2018, na Rússia. A única taça importante que falta ao currículo da estrela francesa é a da Liga dos Campeões, grande objeto de desejo do PSG há anos. Além disso, ao lado de Karim Benzema, com quem poderia atuar junto no Real Madrid, será uma das forças da favorita França para a Copa do Mundo do Catar, em novembro. 

A temporada do craque francês foi excelente, apesar do trio composto com Neymar e Lionel Messi não embalar na principal competição europeia. Mbappé fez 48 gols e deu 26 assistências nas 52 vezes em que entrou em campo. Ele liderou o PSG em gols, assistências, dribles e finalizações no Campeonato Francês, segundo números do Footstats.

PSG e Catar

O Paris Saint-Germain se transformou em 2011 quando foi comprado pela Qatar Sports Investments (QSI), fundo de investimentos do emir do Catar, Tamim bin Hamad Al Thani. A aquisição foi definida por especialistas como um exemplo de sportswashing, ou seja, o uso estratégico e político do esporte para melhorar sua reputação no mundo, escondendo ações negativas de governos.

Com um orçamento turbinado por um Estado, o PSG virou da noite para o dia uma máquina, pelo menos, de movimentar dinheiro no mercado do futebol. Hoje, o clube está avaliado em US$ 2,5 bilhões segundo a revista Forbes, ocupando a nona posição no ranking. Com uma injeção de 1,3 bilhão de euros (ou R$ 7,3 bilhões, valores não corrigidos) em reforços desde 2011, o PSG assumiu o protagonismo no futebol francês enquanto busca entrar de vez no grupo dos principais times da Europa. Neymar ainda e o jogador mais caro comprado pelo clube, 222 milhões de euros. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.