Ivan Storti/Divulgação
Ivan Storti/Divulgação

Santos perde patrocinador após contratação do atacante Robinho

Orthopride rescinde contrato por não querer ser associada ao jogador, condenado por estupro; clube publica nota oficial defendendo a contratação

Redação, Estadão Conteúdo

14 de outubro de 2020 | 20h21

A contratação de Robinho começa a causar prejuízos ao Santos. "Por respeito às mulheres", a Orthopride acaba de romper o contrato de patrocínio que tinha com o clube até fevereiro de 2021.

A empresa de ortodontia estética estampava sua marca dentro do número das camisas e não quis ter sua marca atrelada a um jogador condenado por estupro na Itália. O Santos confirmou o rompimento do acordo.

Em nota publicada no site oficial, o clube defendeu a contratação do atleta, afirmando que não há condenação definitiva, que não irá realizar um julgamento antecipado e criticando a 'cultura do cancelamento'. Você pode conferir a nota na íntegra no final desta matéria.

Além de patrocinar o clube, a Orthopride também oferecia assistência odontológica para os atletas da base, ao time feminino e aos integrantes do profissional. O acordo do Santos com a Orthopride já durava mais de dois anos e os dirigentes já negociavam a renovação.

Agora, o clube luta para não perder mais parceiros. O Santos tenta, a todo custo, provar que Robinho foi condenado injustamente na Itália. O atacante já treina e aguarda o aval da diretoria para fazer sua estreia.

O anúncio de sua contratação, porém, vem gerando muitas críticas nas redes sociais. Será a quarta passagem do Robinho pela Vila Belmiro. Ele tem o respaldo do técnico Cuca e dos companheiros. Mas não da torcida num todo.


NOTA OFICIAL DO SANTOS

O Santos FC, em seus 108 anos de história, sempre se caracterizou por ser uma instituição inclusiva e socialmente responsável. Referência no combate ao racismo, contra qualquer tipo de violência, especialmente contra a mulher, referência no investimento no futebol feminino e engajamento em diversas causas. Estes são pilares e valores que formam a identidade do Clube brasileiro mais conhecido no Mundo e motivo de raro orgulho por todas as suas contribuições para o desporto nacional. A agremiação também reconhecida pela excelência na formação de atletas, relação próxima e respeitosa por todos aqueles que em campo ajudaram a construir nossa história.

Com relação ao processo do atleta Robson de Souza, o Clube não pode entrar no mérito da acusação, pois o processo corre em segredo de Justiça na Itália e sobretudo o Santos FC orgulha-se de, em sua história, sempre respeitar as garantias fundamentais do ser humano, dentre as quais, a presunção da inocência e o respeito ao devido processo legal.

Ressalta-se ainda que não há condenação definitiva e o atleta responde em liberdade e não será o Santos FC que lhe dará uma sentença antecipada, prejulgando e o impedindo de exercer sua profissão.

Como Clube formador, onde o atleta viveu seus melhores momentos, em que teve diversas conquistas, não seria a nossa coletividade a lhe dar as costas e decretar juízo final de valor em um processo com recursos em andamento.

Não há mudança no posicionamento do Clube em relação ao combate à violência contra a mulher ou outras campanhas que sempre participou neste sentido. São valores irrenunciáveis e que fazem parte da história do legado Alvinegro.

Infelizmente vivemos na era dos cancelamentos, da cultura dos tribunais da internet e dos julgamentos tão precipitados quanto definitivos, porém há a certeza que o torcedor do Santos FC entenderá que compete exclusivamente a Justiça realizar o julgamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.