Rubens Chiri/São Paulo FC
Rubens Chiri/São Paulo FC

São Paulo revive drama de 2018 e pode novamente perder G-4 para o Grêmio

Equipe sofre nas rodadas finais do Brasileiro e vê outros concorrentes como Inter e Corinthians se aproximarem

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

13 de novembro de 2019 | 04h30

A reta final do Campeonato Brasileiro faz o São Paulo se relembrar de uma triste memória do ano passado. O atual quinto lugar, com 52 pontos, tem visto o rendimento despencar na competição e corre o risco de repetir a trajetória da edição 2018 do torneio, quando os maus resultados na parte final da tabela levaram o clube a ficar fora do G-4. A decepção serve como alerta para 2019.

As derrotas recentes dentro do Morumbi para Fluminense e Athletico-PR deixaram o São Paulo cair para o quinto lugar e ser ultrapassado pelo Grêmio. Curiosamente, no fim do Brasileiro do ano passado houve essa mesma troca de posição. Aliás, o roteiro foi até pior. O time do Morumbi chegou a ser líder do torneio durante boa parte da campanha e perdeu o fôlego.

O São Paulo vive em 2019 um momento de instabilidade a ponto de o diretor executivo de futebol Raí ter dado uma bronca no elenco nesta terça-feira. A equipe tem mais seis rodadas para tentar confirmar vaga no G-4, evitar o risco de novamente ter de se contentar com o G-6 e precisar jogar as duas fases prévias da Copa Libertadores. No início deste ano, o time nem chegou à fase de grupos da competição, ao ser eliminado pelo Talleres, da Argentina.

A equipe do técnico Fernando Diniz tem como compromissos finais o Santos, Ceará, Vasco e o confronto direto com o Grêmio, em Porto Alegre. Depois, serão mais duas partidas: diante de Inter e CSA. Quem também pode ameaçar a posição do São Paulo nesta reta final é o Inter, além do Corinthians. Os dois têm 49 pontos, três a menos do que o time do Morumbi.

No fim do ano passado as seis rodadas derradeiras do Brasileiro foram melancólicas. O São Paulo somou só seis dos 18 pontos possíveis, com direito a um empate no Morumbi por 1 a 1 no confronto direto com o Grêmio. O clube vivenciou ainda nesse contexto a demissão do treinador uruguaio Diego Aguirre, dispensado depois de um empate com o Corinthians fora de casa.

Diniz sofre pressão semelhante neste momento, porém a diretoria garante que ele não corre risco. "Estou satisfeito com o dia a dia do trabalho dele. Está cobrando os jogadores, criando alternativas, buscando mudanças. Isso vai surtir efeito", disse o diretor Raí, no domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.