Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

'Sou o máximo responsável pelo Chile estar fora da Copa', diz técnico

Juan Antonio Pizzi assume falhas e se vê fora do comando da seleção depois de fracasso nas Eliminatórias

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

11 Outubro 2017 | 10h00

Abatido e com poucas palavras, o técnico da seleção do Chile, Juan Antonio Pizzi, não conseguiu achar explicações para a equipe campeã das duas últimas edições da Copa América não ter conseguido se classificar para a Copa do Mundo da Rússia. Depois da derrota por 3 a 0 para o Brasil, pelas Eliminatórias, no Allianz Parque, o treinador preferiu se apontar como o maior responsável pelo fracasso.

+ Tite aponta Brasil, Alemanha e França como favoritos

+ Panamá tira vaga dos Estados Unidos e vai à Copa

O Chile começou as Eliminatórias com o otimismo causado por uma vitória por 2 a 0 sobre o Brasil em Santiago e termina na sexta colocação, sem chance até mesmo de repescagem. "Eu sou o máximo responsável pelo resultado. Eu tenho a liberdade de escolher os jogadoers em cada convocação. Vou deixar que os dirigentes e demais pessoas de federação façam suas avaliações sobre isso", disse.

Pizzi assumiu a equipe há dois anos e levou o Chile às finais da Copa América Centenário, vencida diante da Argentina, e da Copa das Confederações, na qual a equipe perdeu para a Alemanha. Ao longo desse período, o Chile acumulou tropeços nas Eliminatórias, como derrotas em casa para a Argentina e para o Paraguai, e só ganhou como visitante de Peru e Venezuela.

"Estamos desiludidos. Fizemos tudo o que era possível. Não nos restou uma gota de esforço. Não podemos reclamar. A vida é dessa forma, cheia de alegrias e tristezas", comentou Pizzi. O treinador argentino disse que não deve continuar no cargo e afirmou que caberá aos dirigentes da federação de futebol do país pensar no futuro da equipe.

O treinador se esquivou de comentar sobre o futuro da geração chilena. O volante Arturo Vidal, por exemplo, havia planejado se despedir da seleção depois do Mundial. Já jogadores como Medel, Valdivia e Bravo têm no mínimo 30 anos. "O tempo vai avaliar esses títulos que o Chile conquisto. A torcida ficou orgulhosa. Eu não sou a pessoa indicada para planejar ou decidir sobre a situação de jogadores que integraram esse processo. Acho que os dirigentes, quando fizerem a lista de projetos, terão as melhores opções", afirmou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.