Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Tchê Tchê diz não ligar para críticas: 'Não quero ser unanimidade'

Jogador do Palmeiras afirma ter valor no clube e cita ter sido titular com todos os técnicos desde a chegada, em 2016

O Estado de S. Paulo

08 de fevereiro de 2018 | 20h51

O meia Tchê Tchê, do Palmeiras, afirmou nesta quinta-feira não se preocupar com críticas da torcida sobre o seu desempenho. O jogador, que completará a 100ª partida pelo clube no sábado, contra o Mirassol, garantiu que tem consciência do seu valor e importância para a equipe, mesmo que talvez isso não seja reconhecido.

+ Clube renova contrato com Victor Luís

+ Roger testa Michel Bastos como titular

"Eu nunca fui uma unanimidade, nem pretendo ser. Quero falar pouco, não importa ser preferido de um ou outro, quero ajudar ao Palmeiras", disse Tchê Tchê, que lembrou ter se mantido como titular regular da equipe com vários treinadores desde a chegada ao clube, em 2016. "Se sempre que troca o treinador eu continuo jogando, é porque tenho algum valor e tenho de ter respeito, também", afirmou.

O jogador foi integrante importante do time campeão brasileiro 2016 e depois, ouviu críticas por não ter conseguido repetir o mesmo nível das atuações. "O Tchê Tchê de 2016 foi só em 2016, agora é o de 2018. Muito difícil que vá repetir aquilo, já falei bastante sobre", admitiu o volante, que ressaltou estar orgulho por alcançar a marcar de cem jogos.

Tchê Tchê afirmou estar mais maduro agora em comparação ao ano da sua chegada. "Muito se fala de você refazer uma coisa que já aconteceu nos anos anteriores. Vou ser sempre o Tchê Tchê de Guaianazes, que nasceu lá em 1992. Acho que virei uma pessoa melhor com o meu filho e são coisas que tentamos levar para a vida", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.