Martin Meissner/AP
Martin Meissner/AP

Técnico da Austrália considera injusto empate com a Dinamarca: 'Merecíamos mais'

Bert van Marwijk elogia atuação da equipe no 1 a 1 com os dinamarqueses

Estadão Conteúdo

21 Junho 2018 | 16h18

O empate por 1 a 1 contra a Dinamarca nesta quinta-feira, em Samara, pela segunda rodada do Grupo C da Copa do Mundo da Rússia, despertou sentimentos opostos no técnico da Austrália, o holandês Bert van Marwijk. O treinador disse estar orgulhoso dos seus comandados e considerou que a seleção australiana merecia ter tido melhor sorte no jogo.

+ Dinamarca questiona VAR e reclama de falta não marcada antes de lance de pênalti

+ França vence com gol de Mbappé, garante classificação e elimina seleção peruana

"Merecíamos mais", lamentou. "Sinto que deveríamos ter vencido. Foi como contra a França. Estou desapontado e orgulhoso. Jogamos bem depois dos primeiros 15 minutos e tivemos chances de vencer. Honestamente creio que merecemos quatro pontos nesses dois jogos. Estou muito decepcionado", completou o treinador.

Nas duas partidas, a seleção australiana saiu atrás no marcador. Contra a França empatou, mas depois levou o segundo gol e acabou derrotada. Diante dos dinamarqueses, empataram com pênalti marcado pelo árbitro de vídeo (VAR, na sigla em inglês) e convertido por Jedinak, que também havia marcado na primeira partida.

Apesar do empate, a Austrália ainda tem chance de avançar às oitavas de final do torneio. A Copa do Mundo, porém, pode já ter terminado para o meia Andrew Nabbout, que deslocou o ombro direito em uma jogada com o lateral-esquerdo Stryger Larsen e foi substituído no segundo tempo por conta do problema. "Acho que ele sofreu uma lesão grave no ombro. Creio que a Copa do Mundo terminou para ele", comentou Bert van Marwijk.

 

A igualdade complicou a possibilidade de classificação da Austrália, que precisa vencer o já eliminado Peru na rodada final da primeira fase do Mundial e torcer para a França derrotar a Dinamarca no outro jogo do Grupo C. As duas partidas serão disputadas na próxima terça-feira.

"É só a última peça do quebra-cabeça que está faltando. Agora devemos nos concentrar no Peru. O resto, quanto à possibilidade de classificarmos, não podemos influenciar. Se temos a chance de ganhar, temos que ganhar", concluiu o técnico.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.