Rubens Chiri / São Paulo
Rubens Chiri / São Paulo

Técnico do São Paulo evita projeções na tabela: 'Ainda falta muito'

Aguirre destaca importância do triunfo em Salvador: 'Por mais que tente levantar o ânimo, não há nada como vencer'

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

27 Outubro 2018 | 11h00

O técnico Diego Aguirre definitivamente adotou a estratégia de pensar jogo a jogo no São Paulo. Nem mesmo o triunfo por 1 a 0 sobre o Vitória, na última sexta, em Salvador, fez o uruguaio analisar o futuro do time no Campeonato Brasileiro para além da rodada seguinte, quando o rival será o Flamengo, dia 4 de novembro, no Morumbi.

Encerrado o jejum de seis partidas sem vencer, Aguirre resumiu assim a trajetória tricolor na competição: "Fomos muito irregulares. Tivemos um período muito bom, com muitas vitórias, chegamos à liderança, mas depois o time não respondeu como esperávamos. Tivemos algumas derrotas e era tempo de voltar (a vencer). Não estou olhando muito para a tabela. Temos de continuar com outra vitória no próximo jogo e, aí, saber em que posição poderemos ficar. Ainda falta muito", analisou.

Demonstrando alívio pelo resultado positivo, o treinador são-paulino reiterou por algumas vezes a impotância dos três pontos no Barradão, independentemente de a equipe ter jogado bem ou não. "Foi muito importante voltar a vencer, estávamos precisando, era prioridade. Por momentos no primeiro tempo, jogamos bem. Tivemos situações para marcar e foi bom conseguir o gol que nos deu os três pontos, que era absolutamente prioritário para nós", disse.

Mesmo quando questionado por um repórter baiano sobre o desempenho do Vitória na partida, o uruguaio finalizou citando novamente o alívio tricolor: "O Vitória jogou bem, lutou muito, se entregou. Por momentos no segundo tempo, até mereceu marcar um gol, mas futebol é assim: se você perde uma situação, acontece isso. Para nós, foi importantíssima a vitória".

Questionado se a preocupação maior, de fato, era o placar positivo e não a qualidade do jogo apresentado por seus comandados, o técnico do São Paulo nem titubeou: "Era ganhar os três pontos porque tínhamos o risco de perder muito a confiança, e ela volta com os triunfos, com os três pontos. Por mais que a gente trabalhe, tente levantar o ânimo, não há nada como vencer".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.