Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Tite deve mudar escalação da seleção brasileira para jogo contra a Sérvia

Willian e Paulinho correm o risco de ficar na reserva; Fernandinho pode entrar na equipe

Leandro Silveira e Marcio Dolzan, enviados especiais / Sochi, O Estado de S.Paulo

25 Junho 2018 | 05h00

Tite estuda mexer na seleção brasileira para o jogo de quarta-feira contra a Sérvia, em Moscou. O volante Fernandinho está cotado para entrar na equipe. Uma das opções é que ele ocupe a vaga de Willian. Paulinho também corre risco de sair. O Brasil precisa pelo menos do empate para se classificar às oitavas de final. Se vencer, ficará em primeiro no Grupo E, desde que a Suíça tropece na Costa Rica ou ganhe por pouca diferença de gols.

+ Pai defende Neymar e pede cuidado a 'parças' nas redes sociais

+ Rodízio de capitães de Tite dá o que falar na Copa do Mundo

Tite, na realidade, gostaria de escalar Douglas Costa na vaga de Willian. O atacante da Juventus entrou bem na partida contra a Costa Rica na última sexta-feira e seria ideal pela velocidade e por jogar bem aberto. Mas ele sofreu lesão muscular na coxa direita e está vetado.

Por isso, existe a possibilidade até de uma mudança de esquema tático, com a entrada de Fernandinho. Se ele entrar no lugar de Willian, o quarteto ofensivo será desfeito, mas a equipe terá maior poder de marcação. Outra possibilidade é ele ocupar o lugar de Paulinho, que não vem jogando bem.

Nesse caso, haveria um complicador para Tite: o volante do Manchester City poderá ter dificuldade para executar a função de vaivém de Paulinho. Por isso, o treinador pode preferir alguém com maior poder de articulação, como Renato Augusto.

Por causa dessa indecisão, Tite ainda não revelou a equipe para encarar os sérvios em Moscou. Nas partidas anteriores, ele deixou clara a escalação com três dias de antecedência.

Fernandinho adota a prudência sobre a possibilidade de jogar. “A seleção brasileira é um conjunto muito forte. Temos qualidades individuais que devem ser utilizadas a favor do coletivo. Como a gente viu, teve a entrada do Douglas (contra a Costa Rica) no segundo tempo e foi essencial no segundo gol. Essa é a força da seleção. Vamos precisar de todos contra a Sérvia”, afirmou neste domingo à CBF TV.

 

PROBLEMA EXTRA

As contusões têm sido uma constante na seleção, limitando as opções do treinador e impedindo que ele faça treinos com todos os 23 convocados – só conseguiu duas vezes desde que o grupo se apresentou, em 21 de maio. Até agora, Renato Augusto, Fred, Danilo e Douglas Costa tiveram problemas médicos. Douglas Costa, aliás, se apresentou com lesão na coxa esquerda e ficou dez dias sem treinar. Neymar se recuperava da cirurgia no pé direito. Fagner também vinha de longo período sem atuar, também por causa de uma lesão.

O lateral-direito é outra preocupação de Tite. Com o problema no quadril sofrido por Danilo na véspera da partida com os costa-riquenhos, o corintiano tornou-se titular. Mas há o temor de que possa não suportar o ritmo dos jogos, pois também estava parado desde 29 de abril.

Por isso, Tite já trabalha com a possibilidade de escalar o zagueiro Marquinhos na lateral. O treinador admitiu isso na sexta-feira. “‘Vou ter problema com o Fagner? Se tiver, ponho Marquinhos e Fernandinho para fazer a função. Mas não precisou”, comentou. Ele revelou também que, ao conversar com Marquinhos sobre essa possibilidade, a resposta foi positiva: “Claro, professor”.

Por ora, Fagner está garantido. “Eu tenho convicção de que, independentemente de nomes, quem estiver jogando vai fazer o seu melhor em busca da vitória e de ajudar a seleção brasileira. A preparação tem de ser de todos, o professor sempre fala isso. A oportunidade pode aparecer quando a gente menos espera”, disse o lateral.

Outro problema são os cartões. Em dois jogos, três jogadores receberam amarelos: Casemiro, Neymar e Philippe Coutinho. Se algum deles for advertido nos próximos jogos, estará fora da partida seguinte, pois os cartões só serão zerados depois das quartas de final. / COLABOROU ALMIR LEITE

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.