Rodrigo Coca/ Ag. Corinthians
Rodrigo Coca/ Ag. Corinthians

Vítor Pereira pede Corinthians com ‘faca na boca’ para evitar novas frustrações

Técnico português critica postura alvinegra em derrota para o Atlético Goianiense na Copa do Brasil

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2022 | 06h00

A postura do Corinthians na derrota por 2 a 0 para o Atlético-GO, no primeiro jogo das quartas de final da Copa do Brasil deixou Vítor Pereira muito preocupado. Após concluir que o time não teve determinação para buscar um resultado melhor no Antônio Accioly, o treinador espera ao menos usar o desempenho ruim como lição para evitar frustrações maiores na temporada.

“Jogamos de barriga cheia. Não lutamos por todas as bolas, chegamos sempre atrasados, eles foram sempre mais rápidos e mais fortes na bola”, comentou. “Este jogo tem que servir de alguma coisa, tem que servir de lição. Não podemos jogar como jogamos hoje, temos que melhorar nosso comportamento já no próximo jogo. Nós temos que entrar com tudo, jogar com a faca na boca, entrar mentalmente ligados. Isso já vai trazer alguma outra coisa”, acrescentou.

O próximo jogo será no sábado, contra o Botafogo, pela 20ª rodada do Brasileirão, mas a principal expectativa é para o confronto da próxima terça-feira, contra o Flamengo, no jogo de ida das quartas de final da Copa Libertadores. As duas partidas serão na Neo Química Arena, onde também será a decisão da vaga nas semifinais da Copa do Brasil, apenas no dia 17 de agosto.

“ Dois a zero é dois a zero. Temos que jogar como eles jogaram aqui. Temos que ser agressivos como eles foram. Se jogarmos da forma determinada que nem jogaram aqui, temos possibilidade. Mas temos que mudar radicalmente a forma de estar em campo em relação a hoje. Não entramos com a mentalidade, apesar de todos os avisos, que deveríamos ter entrado”, comentou o português.

Na coletiva depois da vitória por 2 a 1 sobre o Atlético-MG no final de semana, resulta que animou os torcedores, Vítor Pereira comentou que ainda fará o time jogar com mais qualidade, o que não foi visto na noite de quarta. Segundo ele, será necessário mais tempo para recuperar os danos causados por lesões  e desgaste físico, mesmo com reforços como Fausto Vera, que estreou contra o Atlético-GO, Balbuena e Yuri Alberto.

“Nós temos muita gente voltando de lesão, de uma paragem. Naturalmente, esses jogadores estão com dificuldade”, disse. “Se eu conseguisse pegar os jogadores todos que vieram, colocar em uma misturadora e eles começassem a jogar… mas não é assim. Como não temos treinado, temos que esperar que as dinâmicas comecem a surgir no jogo. Falando do Vera, é um jogador de qualidade e que está com ritmo, então aproveitamos o ritmo dele. Ele vem trazer mais qualidade ao elenco”, concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.