Aaron Tam/AFP
Aaron Tam/AFP

Hong Kong sediará Jogos Gays de 2022, com maior aceitação a LGBTs em partes da Ásia

Metrópole asiática vence disputa contra outras 16 cidades, sendo 13 dos Estados Unidos

Reuters

31 Outubro 2017 | 11h23

Hong Kong sediará os Jogos Gays de 2022, derrotando candidaturas de cidades dos Estados Unidos e do México e se tornando a primeira metrópole da Ásia a acolher o evento esportivo e cultural. A vitória chega no momento em que movimentos de direitos dos gays de outras partes do continente ganham força. Neste ano, o Tribunal Constitucional de Taiwan declarou que os casais de mesmo sexo têm direito a se casar legalmente, o primeiro veredicto do tipo na região.

+ Organizadores dos Jogos de Inverno de Pyeongchang acendem tocha na Grécia

+ Eslovena do biatlo é único caso de doping dos Jogos de 2010 em reanálise

+ Após Rio-2016, ouro e outras 'lembrancinhas' entram em lista de presentes proibidos do COI   

A Federação dos Jogos Gays (FGG, na sigla em inglês) preferiu Hong Kong a Guadalajara e Washington em uma votação ocorrida em Paris na segunda-feira. Um número recorde de 17 cidades expressou interesse em sediar os Jogos Gays de 2022, 13 delas nos EUA.

+ Rio não possuía condições de sediar Olimpíadas, diz delator de Nuzman

O impacto que os Jogos Gays têm nas cidades-sede é incrível em termos de cultura, esporte, economia, história e, o mais importante, em elevar todas as questões de igualdade LGBT+, disse a FGG em um comunicado.

Os jogos são promovidos como a maior congregação LGBT global de esportes e cultura - mas os participantes não têm que ser gays, disseram os organizadores. Os defensores da candidatura de Hong Kong descreveram os jogos como uma conquista para o status da comunidade LGBT da cidade.

Este é um grande passo adiante para a própria Hong Kong conseguir conquistar estes jogos mundiais... e também é um grande passo para a inclusão da diversidade, disse Alfred Chan, presidente do conselho da Comissão de Oportunidades Iguais de Hong Kong, uma entidade estatutária que apoio a candidatura. Hong Kong, ex-colônia britânica cosmopolita, voltou ao controle chinês em 1997 mediante a fórmula um país, dois sistemas, que promete um alto grau de autonomia e liberdades inexistentes na China continental.

Embora a discriminação baseada na orientação sexual seja ilegal, o casamento gay não é reconhecido no território. O governo não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.