Michael Madrid-USA TODAY Sports
Michael Madrid-USA TODAY Sports

Tiger Woods: 'Minha perna está bem, desde que eu não jogue golfe'

Woods teve perna direita reconstruída cirurgicamente após fraturas graves sofridas em um acidente de carro no ano passado

Bill Pennington, The New York Times, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2022 | 15h10

TULSA, Oklahoma - Tiger Woods tem um bom senso de humor, embora seja raro ele usá-lo em um ambiente público. Mas, aos 46 anos, ele está evoluindo. O que antes era impensável para ele – fazendo graça de seu jogo ruim no campo de golfe – é uma de suas novas e cativantes ferramentas.

Na quinta-feira, seis semanas após seu retorno no Masters Tournament, Woods voltou a a competir, na primeira rodada do PGA Championship. Depois de um início empolgante, Woods estava mancando um pouco na perna direita, que foi reconstruída cirurgicamente após várias fraturas graves sofridas em seu terrível acidente de carro no início do ano passado. Alguns buracos depois, Woods mancava muito, às vezes até usando um taco de golfe como uma bengala para subir ou descer colinas.

Não surpreendentemente, sua pontuação logo refletiu sua enfermidade. Depois de mancar até uma tribuna para uma entrevista coletiva, ele foi questionado sobre sua perna reconstruída. "Sim, não me sinto tão bem quanto eu gostaria que fosse", disse ele com um sorriso. Woods acrescentou que não conseguia colocar peso na perna direita no backswing – conhecido como loading – e também lutou para empurrar a perna no downswing.

"Loading (virar o corpo para dar a tacada) dói, andar dói e torcer dói", disse ele. Woods então brincou: “É apenas golfe. Se eu não jogar isso, se eu não fizer isso, então estou bem.”

“Começaremos o processo de recuperação e o faremos amanhã (sexta-feira)”, acrescentou, prevendo que sua noite incluiria banhos de gelo e inúmeros esforços para reduzir a inflamação em sua perna direita. E assim, o retorno contínuo de Tiger Woods ao golfe de elite está seguindo a progressão irregular que até ele previu antes do Masters, quando disse que esperava uma série de dias bons e ruins. "É um processo", disse.

Parte desse processo, como Woods reconheceu na terça-feira, foi que sua perna direita e suas costas, que foi operada cinco vezes, não lhe permitiram mais treinar por longos períodos de tempo, o que era rotina para ele desde que era uma criança. Enquanto assistia Woods jogar na quinta-feira, era fácil imaginar se alguns de seus problemas no campo de golfe estavam relacionados à falta de preparação, especialmente para alguém como ele, que já foi conhecido por hábitos exaustivos de trabalho. Woods parecia desconfortável ou inseguro, com as tacadas, o que foi surpreendente, já que, com um taco nas mãos, sempre foi dominante e convencido.

O sorriso que Tiger Woods trouxe para o início de sua entrevista coletiva estava se dissipando. O retorno ao golfe que parecia improvável há apenas 15 meses continua na sexta-feira, disse Woods. Mas antes que ele se afastasse mancando perceptivelmente, Woods fez um último comentário. “Foi um dia frustrante”, disse ele.

Tudo o que sabemos sobre:
Tiger Woodsgolfe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.