Wander Roberto/ COB
Wander Roberto/ COB

Cruzado de esquerda incrível na Olimpíada pode levar Hebert Conceição para o boxe profissional

Golpe credencia pugilista a seguir mesmo caminho de Robson Conceição e dos irmãos Esquiva e Yamaguchi Falcão

Wilson Baldini Jr., Estadão Conteúdo

07 de agosto de 2021 | 04h20

O raro nocaute conquistado por Hebert Conceição na final olímpica dos pesos médios (até 75 kg), neste sábado, e a consequente medalha de ouro poderão garantir ao brasileiro um contrato no boxe profissional. A exemplo do que ocorreu com Robson Conceição, ouro na Rio-2016, e os irmãos Esquiva e Yamaguchi Falcão, prata e bronze respectivamente em Londres-2012, o novo campeão olímpico está na mira das empresas que dominam a nobre arte internacional.

Uma das organizações com boas condições de contratar Hebert Conceição é a Top Rank, do empresário Bob Arum, que já cuida das carreiras de Robson e Esquiva. Inclusive os dois brasileiros farão lutas importantes nos próximos dias. Robson vai disputar o título mundial dos superpenas do Conselho Mundial de Boxe, dia 10 de setembro, nos Estados Unidos, enquanto Esquiva vai lutar uma eliminatória pelo cinturão dos médios.

Após a conquista da medalha de ouro, Luiz Dórea, técnico da Academia Champion, em Salvador, onde começou Hebert, avaliou a possibilidade do puglista brasileiro migrar para o boxe profissional. "Vamos comemorar esse momento, mas acredito que é o caminho…", afirmou.

"Hebert está conosco desde os 14, 15 anos de idade. É um garoto muito talentoso, invicto no Brasil, que foi campeão brasileiro duas vezes na classe cadete, duas na juvenil, três na elite, prata pan-americano do Peru, bronze no Mundial da Rússia e prata nos Jogos Militares. Um craque", orgulha-se Luis Dórea, que acredita em algo muito especial para seu pupilo no Japão.

"Ele tem um boxe acima do normal. Apesar de jovem (23 anos), possui experiência internacional, cabeça concentrada no boxe, craque de boxe, grande revelação do Brasil. Sempre tive muita fé. Ele foi preparado para ser ouro, sabe o que quer", continuou o treinador, que 'discutiu' com o pupilo quando conversaram após a garantia do pódio. Segundo Dorea, o trabalho feito pela comissão técnica complementa muito bem a preparação de Hebert. "Ele estudou todos os adversários. Lutou com a maioria deles. Sabia o que tinha de fazer em cima do ringue e soube realizar o trabalho."

Apesar de não ter público em Tóquio, por causa da pandemia, representantes das maiores empresas de boxe profissional foram enviados para o Japão com o objetivo de iniciar contatos com os atletas que se destacarem na Olimpíada. Um exemplo disso foi o peso pena Duke Ragan, prata entre os penas, que já foi 'parabenizado' pela Top Rank e deve assinar contrato nos próximos dias. Outro é o superpesado Bakhodir Jalolov, do Usbequistão.

Antes da final, Hebert afirmou que pretende disputar o Mundial Militar e também o próximo Mundial da Aiba (Associação Internacional de Boxe), com as regras do boxe amador, competição na qual o brasileiro terminou em terceiro em 2019.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.