Andrej Isakovic/ AFP
Andrej Isakovic/ AFP

Após conquistar título em casa, Novak Djokovic se diz pronto para Roland Garros

Semifinal do Grand Slam francês pode opor sérvio e espanhol nas quadras de saibro

Redação, Estadão Conteúdo

29 de maio de 2021 | 17h46

A conquista do ATP 250 de Belgrado, na Sérvia, trouxe bastante confiança para Novak Djokovic antes de Roland Garros. O sérvio, que voltou a vencer um torneio em casa depois de 10 anos, acredita que está pronto para disputar o Grand Slam francês, que já começa neste domingo. O número 1 do mundo crê que teve uma boa evolução durante toda a temporada de saibro, especialmente nos dois últimos torneios. Antes de jogar em casa, ele foi finalista do Masters 1000 de Roma, na Itália.

"Estou pronto. Roland Garros é um dos meus maiores objetivos da temporada e espero ser capaz de dar o pontapé inicial nesse torneio da melhor maneira possível e ir longe no torneio", disse Djokovic, depois de vencer a final de Belgrado contra o eslovaco Alex Molcan.

"Acho que desde o torneio de Roma, eu comecei a jogar melhor. Estou batendo na bola no momento certo, usando melhor a quadra e também estou me movimentando melhor, diferente do que acontecia em Monte Carlo, no início da temporada de saibro, quando eu estava sempre meio passo atrasado", avaliou o sérvio, que havia caído ainda nas oitavas do Masters 1000 de Montecarlo, em Mônaco.

"Sinto que a final de Roma e este torneio foram muito importantes para a confiança e para Roland Garros. Estou pronto, estou em forma, e estou motivado. Fico muito feliz com a preparação para Paris", complementou Djokovic, que estreia em Paris contra o americano Tennys Sandgren em data a ser definida.

Djokovic já havia conquistado títulos em Belgrado nos anos de 2009 e 2011 e a última edição do evento antes dos dois torneios de 2021 havia acontecido em 2012, sem a participação do melhor jogador do país. Há um mês, o número 1 do mundo disputou outro torneio na capital sérvia e foi superado pelo russo Aslan Karatsev na semifinal. "Jogar para uma grande torcida hoje (sábado) e sentir essa energia e o apoio era algo que eu estava ansioso para fazer. E ganhar o troféu aqui em Belgrado é a melhor despedida possível para mim antes de Paris".

CHAVE DIFÍCIL EM ROLAND GARROS

Novamente o sérvio falou sobre seu difícil sorteio na chave de Roland Garros, já que pode enfrentar o suíço Roger Federer nas quartas e Rafael Nadal na semifinal. Ele foi perguntado se um eventual duelo contra o espanhol, 13 vezes campeão do torneio, seria mais acessível em uma fase anterior, em comparação com as finais.

"Eu não sei a resposta, para ser honesto", admitiu Djokovic, que perdeu três finais de Roland Garros para Nadal (em 2012, 2014 e 2020), mas derrotou o espanhol nas quartas de final em 2015.

"Não acho que faça uma diferença significativa jogar contra ele na semifinal ou na final. Enfrentá-lo no saibro em Roland Garros, seja na primeira fase ou na final, é o maior desafio que você pode ter. Já o enfrentei muitas vezes na quadra central de Roland Garros e sei como é, mas sinto depois da nossa partida em Roma, tenho uma boa chance de jogar contra ele ou com qualquer pessoa", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.