Thomas J. Russo/Usa Today Sports
Thomas J. Russo/Usa Today Sports

Chefe da McLaren pede demissão e Gil de Ferran assume como diretor esportivo

Eric Boullier decide deixar cargo e ex-piloto brasileiro ganha novo cargo na escuderia britânica

Estadão Conteúdo

04 Julho 2018 | 08h26

A McLaren anunciou nesta quarta-feira que aceitou o pedido de demissão de Éric Boullier, que deixou o cargo de chefe da equipe na Fórmula 1. O engenheiro francês desempenhava a função desde 2014, e agora as atribuições dele serão divididas entre o diretor de operações Simon Roberts, a diretora de desempenho Andrea Stella e Gil de Ferran, promovido ao recém-criado papel de diretor esportivo.

+ Fernando Alonso tem 'ajuda especial' na F-Indy para correr Indianapolis

+ Mesmo sem somar ponto nas últimas corridas, Alonso vê evolução da McLaren

Ex-piloto das categorias Cart e Indy, disputadas nos Estados Unidos, Gil de Ferran teve o auge da sua carreira em 2003, quando venceu a edição daquele ano das 500 Milhas de Indianapolis. Aposentado das pistas, o brasileiro desempenhava na McLaren uma função de consultor especial desde o último mês de março.

"O desempenho do carro construído para a atual temporada, o MCL33, não atendeu às expectativas de ninguém na McLaren, especialmente dos nossos leais fãs", admitiu o CEO da McLaren Racing, Zak Brown, em declaração divulgada no site oficial da escuderia. De acordo com o executivo, mais mudanças podem estar por vir.

"Isso não é culpa das centenas de dedicados trabalhadores, homens e mulheres, da nossa equipe. As causas são sistêmicas e estruturais, o que requer mudanças profundas. Com esse anúncio, começamos a tratar essas questões de imediato e dar nosso passo inicial para nos recuperarmos", afirmou.

Apesar do pouco sucesso à frente da equipe, que não vence uma corrida desde 2012, Boullier se disse grato. "Estou muito orgulhoso por trabalhar com um time tão brilhante nos últimos quatro anos, mas reconheço que agora é o momento certo para sair. Gostaria de desejar a todos na McLaren o melhor no restante dessa temporada", disse o francês, ex-funcionário da Renault e da Lotus na Fórmula 1.

Após três anos de parceria fracassada com a Honda, entre 2015 e 2017, a McLaren passou a contar com o fornecimento de motores da Renault desde o início de 2018, mas os resultados seguem abaixo do esperado. Fernando Alonso é o oitavo colocado no Mundial de Pilotos, com 36 pontos, e tem um quinto lugar como melhor resultado na temporada. Companheiro de equipe do espanhol, Stoffel Vandoorne está em 16° na classificação geral, com só oito pontos, ganhos em três das nove corridas disputadas até o momento.

"Gostaria de aproveitar a oportunidade para, em nome de toda equipe, agradecer a Éric pelos serviços e contribuição prestadas à McLaren e desejar a ele sucesso nos projetos que assumir no futuro", finalizou Brown.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.