Koen Van Weel/AFP
Koen Van Weel/AFP

Hamilton tem problemas e Leclerc é o mais rápido em dia tumultuado de treinos da F-1 na Holanda

Britânico comete erros e tem dificuldades mecânicas que o impedem de andar na pista de Zandvoort; Ferrari registra os dois melhores tempos na segunda sessão livre

Redação, Estadão Conteúdo

03 de setembro de 2021 | 13h18

O retorno do GP da Holanda à Fórmula 1 foi marcado por treinos tumultuados e resultados inesperados nesta sexta-feira. Erros e problemas mecânicos reduziram a duração do primeiro treino livre e causaram duas interrupções durante o segundo, que mal contou com Lewis Hamilton na pista de Zandvoort. O monegasco Charles Leclerc acabou registrando o melhor tempo do dia, diante da festiva e empolgada torcida holandesa nas arquibancadas.

A Ferrari acabou se tornando o grande destaque do desta sexta, com os dois melhores tempos das sessões livres. Leclerc foi o mais veloz, com 1min10s902, logo à frente do espanhol Carlos Sainz Jr., com 1min11s056, ambos no segundo treino. O espanhol da Ferrari também foi bem na atividade que abriu o dia, com o terceiro melhor tempo daquela sessão.

O terceiro mais rápido do dia foi o surpreendente Esteban Ocon. O francês da Alpine anotou 1min11s074, seguido pelo finlandês Valtteri Bottas (1min11s132), da Mercedes, do anfitrião Max Verstappen (1min11s264), da Red Bull, e do espanhol Fernando Alonso (1min11s280), companheiro de Ocon na Alpine.

O Top 10 do segundo treino teve ainda o francês Pierre Gasly (1min11s462), da AlphaTauri, o britânico Lando Norris (1min11s488), da McLaren, o italiano Antonio Giovinazzi (1min11s678), da Alfa Romeo, e o alemão Sebastian Vettel (1min11s713), da Aston Martin.

Dono de sete títulos mundiais, Hamilton registrou apenas três voltas na segunda sessão. Ele sofreu uma pane no motor e quase parou no meio da pista. Seu melhor resultado foi 1min11s911, acima do 1min500s, com o qual liderou o primeiro treino do dia. Para efeito de comparação, seu melhor tempo do dia marcaria apenas o nono lugar na segunda sessão.

A pane do líder do campeonato causou a primeira de duas interrupções do segundo treino. A segunda foi gerada por uma rodada do russo Nikita Mazepin, da Haas, que parou na caixa de brita. As interrupções, contudo, não atrapalharam tanto a sessão como aconteceu no primeiro treino do dia.

A atividade, com duração prevista de uma hora, contou com paralisação de quase 40 minutos por causa de um princípio de incêndio no carro de Vettel. A remoção do veículo levou mais tempo que o esperado e comprometeu a adaptação dos pilotos à nova pista do circuito. Se na segunda sessão, os pilotos chegaram a completar mais de 30 voltas na pista, na primeira somente o finlandês Kimi Raikkonen alcançou 20.

Os treinos desta sexta marcaram o retorno da Holanda à Fórmula 1. A volta estava marcada para 2020, mas a pandemia acabou causando o cancelamento da prova. O país não recebe uma etapa da categoria desde 1985. O traçado do Circuito de Zandvoort é completamente novo, após grande reforma. O traçado é marcado por duas curvas inclinadas, com muita velocidade, porém com menos chances de ultrapassagens.

A pista tem apenas 4.259 metros, sendo a segunda menor do calendário. Fica atrás apenas do estreito circuito de rua de Mônaco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.