Will Oliver/AFP
Will Oliver/AFP

Stroll festeja melhor tempo e lamenta por Pérez; Hulkenberg 'sorri' com exaustão

'Parece que conseguimos uma boa chance de obter alguns pontos importantes neste fim de semana', comemora piloto da Racing Point

Redação, Estadão Conteúdo

31 de julho de 2020 | 16h56

A sexta-feira do Fórmula 1 em Silverstone foi de alegria e tristeza para a equipe Racing Point e para o piloto canadense Lance Stroll, que festejou o melhor tempo do dia, mas se entristeceu ao falar do companheiro Sergio Pérez, diagnosticado com coronavírus na quinta-feira, e que será substituído pelo alemão Nico Hulkenberg, sétimo na segunda sessão de treinos.

"Foi um dia positivo e é ótimo estar no topo da segunda sessão de treinos. O carro esteve forte nas retas curtas e longas, por isso é um começo promissor para o fim de semana. Sabíamos que Silverstone poderia se adequar ao carro e parece que conseguimos uma boa chance de obter alguns pontos importantes neste fim de semana, embora a qualificação e a corrida sejam o que realmente importam", disse o piloto, que fez a melhor volta em 1min27s274.

Stroll fez questão de lembrar do companheiro Pérez, que vai ficar de fora das duas próximas corridas, se recuperando do coronavírus. "Meu coração está com 'Checo'. Com certeza sentiremos falta de tê-lo por perto, mas é ótimo dar as boas-vindas ao Nico (Hulkenberg) de volta à equipe. Tenho certeza de que ele está gostando de dirigir esse carro, que parece competitivo, o que é ótimo."

Com menos de 24 horas de preparação para voltar a sentar em um cockpit, Hulkenberg afirmou ter ficado exausto ao enfrentar a temperatura alta no circuito inglês, mas foi possível notar seu sorriso ainda que estivesse sob a máscara facial.

O ex-piloto da Renault e da Force India e veterano de 177 GPs terminou em nono no primeiro treino e em sétimo o segundo. Ele não dirigia um F-1 desde o Grande Prêmio de Abu Dabi de 2019.

"As últimas 24 horas foram um pouco especiais, loucas e selvagens", disse o alemão. "Às 16h30 da tarde de quinta-feira, recebi a ligação, peguei o avião para cá, dormi às duas da manhã, às oito horas da manhã desta sexta estava no simulador por uma hora como preparação para os treinos. Foi muito corrido, mas valeu a pena."

Hulkenberg, de 32 anos, estava preparado para trabalhar na transmissão de uma TV neste fim de semana, antes de testar um carro esportivo em Nurburgring, mas em vez disso, foi chamado pela equipe Racing Point e teve que passar pelos testes da covid-19 antes de participar dos treinos.

"Grande esforço da equipe", disse o piloto. "Quero agradecer à equipe, também a todos os funcionários do turno da noite que fizeram um trabalho incrível para me encaixar no carro com bastante conforto, e à FIA por mudar tão rapidamente a superlicença. Por isso, foi muito especial."

Alta temperatura e fortes ventos surpreendem Hamilton e Bottas

A temperatura elevada e os ventos fortes, nesta sexta-feira, parecem ter surpreendido a equipe Mercedes no primeiro dia de treinamentos livres para o GP da Inglaterra, domingo, no circuito de Silverstone. Segundo e quinto colocado nas duas primeiras sessões de treino, Lewis Hamilton não escondeu sua surpresa com o desempenho.

"Dia difícil para ser honesto", disse o líder da temporada, em busca da sétima vitória em casa. "Sempre venta muito aqui, mas hoje foi complicado porque o vento vinha de todas as direções, o que causou desequilíbrio no carro", afirmou o hexacampeão mundial. "Então, vamos trabalhar nisso muito e tentar ver se conseguimos descobrir uma forma de melhorar. Não é um desastre, mas definitivamente foi um dia difícil de dirigir. Não me senti confortável."

Mais uma vez, o britânico demonstrou confiança em sua equipe para buscar os primeiros lugares sábado na formação do grid e na corrida de domingo. "Temos ótimos engenheiros. E essa é a melhor coisa dessa equipe. Continuamos a mergulhar nos detalhes e esperamos fazer algumas boas mudanças da noite para o dia. Acho que o sábado será mais legal."

Valtteri Bottas, atrás de Hamilton cinco pontos na classificação (63 a 58), compartilhou opiniões semelhantes ao companheiro de equipe depois de ficar em sexto e em terceiro nas duas sessões, apesar de não demonstrar grande preocupação.

"A primeira sessão foi um pouco mais complicada em termos de equilíbrio", explicou o finlandês. "Obviamente ainda há trabalho a fazer, mas não fiquei com um sentimento ruim na segunda sessão. As lacunas são muito pequenas e, normalmente, somos capazes de dar bons passos para a qualificação. Então, não fiquei muito preocupado, porque o sentimento geral é bastante bom."

Perguntado se o superaquecimento dos pneus foi a razão pela qual a Mercedes ficou atrás da Racing Point e da Red Bull, Bottas disse: "Certamente tivemos um superaquecimento dos pneus, mas não estou muito preocupado. Vamos focar em nossas coisas e ver se conseguimos obter mais desempenho, pois as condições serão completamente diferentes no sábado."

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1automobilismoLance Stroll

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.