Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

A difícil, mas melhor chance de Neymar nos próximos quatro anos

O trabalho desenvolvido pelo treinador dá chance ao brasileiro de avançar passos na busca pelo prêmio de melhor do mundo

Leandro Silveira, O Estado de S.Paulo

03 Julho 2018 | 04h00

Há hierarquias difíceis de serem quebradas no futebol. Uma das principais envolve a escolha do melhor jogador do mundo, em eleição promovida anualmente pela Fifa. Afinal, desde 2008, Cristiano Ronaldo e Lionel Messi se revezam no topo da votação. Desde 2007, apenas uma vez, em 2010, o português não esteve entre os três agraciados. Entrar para esse seleto grupo é o objetivo de Neymar. Ele já deu seu passo para isso ao ficar na terceira posição em duas oportunidades, em 2015 e 2017, na última já sob novo status: o de jogador mais caro do futebol mundial. 

+ MILTON LEITE: Passagem de bastão?

+ LUIZ ZANIN ORICCHIO: Brasil se reafirma como favorito

+ Leia outros colunistas de Esportes

Neymar carrega boa parte dos pré-requisitos necessários para se juntar a Messi e Cristiano Ronaldo nesse trono: além do talento puro, é midiático, tem carisma com as crianças e nasceu no país mais importante para o futebol mundial - que não possui um protagonista desde os melhores momentos de Kaká e Ronaldinho Gaúcho.

O primeiro passo foi a transação milionária que o levou a trocar o Barcelona pelo Paris Saint-Germain, fazendo dele assunto mundial e o transformando em sinônimo de futebol brasileiro. Só que a negociação o distanciou do título da Liga dos Campeões, a mais importante e balizadora competição do futebol mundial, como demonstrou o Real Madrid ao eliminar o PSG na última edição.

Restou a Neymar, portanto, o caminho mais curto (e demorado, por só acontecer a cada quatro anos), que transforma os jogadores em lenda: a Copa do Mundo. Foi por meio dela que Fabio Cannavaro acabou escolhido o melhor de todos em 2006, que Iniesta e Xavi tiraram Cristiano Ronaldo da festa de 2010 e que Neuer conseguiu ser ao menos coadjuvante do português e de Messi na edição de 2014. 

 

Com Argentina e Portugal eliminados nas oitavas e Messi tendo realizado uma temporada abaixo de seu elevadíssimo nível, a chance para Neymar galgar mais um posto se dá na Rússia. Ainda que tenha começado o torneio de maneira irregular, com atuações contestáveis contra Suíça e Costa Rica, em dias em que apanhou muito, dentro e fora de campo, parecendo prestes a explodir. Algo impensável para quem mira o posto de melhor do mundo. Mas Neymar se reabilitou contra a Sérvia, com boa atuação tática. Foi brilhar mesmo diante do México, sendo perigoso em todas as partes do campo e não apenas na ponta-esquerda. E mostrando que realmente “joga muito”. Agora, com mais três jogos para o Brasil faturar o hexa, será preciso ver a solidificação da organização tática e segurança defensiva do time de Tite com o brilho de coadjuvantes, como Philippe Coutinho, e o afloramento do auge técnico de Neymar.

O trabalho desenvolvido pelo treinador dá chance ao brasileiro de avançar passos na busca pelo prêmio de melhor do mundo, mas sem esquecer da concorrência, que conta, entre outros, com o francês Mbappé e o inglês Harry Kane. 

Dependendo do que acontecer até 15 de julho, ele pode, sim, ficar para trás. Mas a melhor chance é agora - como ele mostrou saber ao exigir ser operado pelo médico da seleção brasileira da fratura no quinto metatarso do pé direito. Mesmo que, neste momento, Cristiano Ronaldo pareça ser hors concours por tudo que fez pelo Real Madrid nos últimos meses. Uma nova oportunidade dessas só vai aparecer daqui a quatro anos. 

*LEANDRO SILVEIRA É REPÓRTER DO ‘ESTADÃO’ NA RÚSSIA

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.