Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Após prometer voto em candidatura da América do Norte, CBF vota pelo Marrocos

Membros da delegação americana afirmam que troca de voto na Copa de 2026 foi 'resposta' de Marco Polo Del Nero às acusações feitas pela Justiça do país

Jamil Chade, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

13 Junho 2018 | 09h02

Depois de anunciar publicamente que toda a América do Sul votaria em bloco pela candidatura tripla da América do Norte - Estados Unidos, Canadá e México -, a CBF votou pela campanha do Marrocos para sediar a Copa do Mundo de 2026 na eleição ocorrida durante o Congresso da Fifa, em Moscou.

+ Após acertar ida para o Real Madrid, Lopetegui é demitido da seleção da Espanha

+ Reverenciado por Fifa, Putin diz que Copa vai mudar imagem da Rússia

+ Em campanha, Infantino disse que Fifa estava 'clinicamente morta'

Nos documentos apresentados pela Fifa, o voto do Brasil foi marcado como para os norte-africanos. O presidente da CBF, coronel Antonio Nunes, admitiu que não queria ter votado na candidatura dos EUA, México e Canadá para sediar a Copa de 2026. "Era bom que fosse o Marrocos. Nunca teve Copa lá", afirmara. Mas lamentou: "eu era apenas um voto". O cartola brasileiro insistiu que foi "injusto" dar a Copa pela segunda vez para os EUA e pela terceira vez aos mexicanos. "Nunca teve no Marrocos. Isso não é certo".

Suas declarações deixaram o restante dos diretores da CBF chocados. Nunes não tem qualquer poder dentro da entidade e apenas ocupa o espaço para garantir que os interesses de Marco Polo Del Nero, presidente banido, sejam atendidos. 

Consultado, um alto representante da delegação americana afirmou que acredita que voto brasileiro foi uma tentativa de retaliação contra os EUA por conta da prisão dos cartolas da CBF. Carlos Cordeiro, presidente da US Soccer, admitiu ter ficado "surpreso" com o voto brasileiro, enquanto o delegado mexicano, Decio Di Maria, espera que o Brasil no final reconheça onde era melhor a Copa ser realizada. Mas entre os delegados americanos, ninguém acredita em um "engano" por parte do coronel Nunes.

Para os americanos, coronel Nunes votou como parte de uma "resposta" de Del Nero. "É ele (Del Nero) quem manda ainda", disse, na condição de anonimato. Já para a chefia da Conmebol, o voto foi considerado como uma "traição". José Maria Marin foi alvo de um julgamento e está preso, enquanto que Marco Polo Del Nero caiu por conta das acusações apresentadas pelo Departamento de Justiça. 

O fato é que com a decisão na eleição, a Copa do Mundo terá pela primeira vez uma sede tripla, com a maior parte dos jogos nos Estados Unidos. Antes, o evento só havia sido dividido em dois países, no Japão e na Coreia do Sul, em 2002, quando o Brasil faturou o pentacampeonato.

O Congresso da Fifa foi realizado na véspera da abertura da Copa do Mundo da Rússia. Nesta quinta-feira, a seleção anfitriã vai enfrentar a Arábia Saudita às 12 horas (horário de Brasília), em Moscou. A cerimônia de abertura terá início meia hora antes.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.