Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Borja renova dinastia de centroavantes de Felipão em Libertadores

Presença do colombiano no Palmeiras aumenta confiança do treinador em repetir feitos com Jardel e Oséas

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

08 Agosto 2018 | 05h00

O torcedor do Palmeiras terá outro retorno aguardado nesta quinta-feira além de apenas ver em campo o time pela Copa Libertadores. Depois de quase três meses, o atacante Miguel Borja voltará a jogar pela equipe na competição e ser titular contra o Cerro Porteño, no Paraguai. A expectativa é de vê-lo mesclar o bom rendimento do primeiro semestre com a experiência de ter disputado uma Copa do Mundo.

O técnico Luiz Felipe Scolari vai apostar em Borja como centroavante. O treinador sempre gostou de ter nos seus times jogadores com presença de área, característica importante nos dois títulos da Libertadores que conquistou na carreira. Com o Grêmio, em 1995, tinha Jardel. No Palmeiras de 1999, apostava em Oséas.

A presença dele no mata-mata da Libertadores representa uma grande força para o Palmeiras. Com Willian machucado e Deyverson em má fase, o colombiano carrega a expectativa de comandar o ataque da equipe e manter o ótimo retrospecto do torneio neste ano, com seis gols em seis jogos.

O camisa 9 viveu um começo de ano muito positivo no Palmeiras, com 15 gols em 24 jogos. A participação na Rússia, somada a uma cirurgia no joelho direito, afastaram o atacante dos compromissos e fizeram o time sentir falta dele. Desde a volta do calendário, com o fim da Copa do Mundo, foram seis partidas e nenhum gol marcado por atacantes.

O Palmeiras cuidou do tratamento do joelho de Borja para o retorno não ser precipitado. O atacante recuperou a forma física nos treinos e viajou para Belo Horizonte, onde foi titular contra o América-MG, no último domingo, apenas para ganhar ritmo. Foram 67 minutos em campo no Independência.

Borja sempre creditou o bom momento vivido em 2018 à participação do ex-técnico Roger Machado. O colombiano conta que o treinador buscou lhe dar mais atenção, transmitir mais confiança, fazer orientações individualizadas e tirar a pressão para que correspondesse. 

Agora com Felipão, o atacante quer ter o mesmo prestígio. Os dois conversaram bastante durante o voo para Belo Horizonte, na sexta-feira. O técnico viajava para estrear no cargo. Já o atacante voltava a se juntar à equipe palmeirense.

No treino desta terça-feira Borja mostrou estar motivado para a disputa das oitavas de final. Foi um dos primeiros a entrar no gramado e demonstrou bom humor nas brincadeiras durante o aquecimento. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.