Vitor Silva/SSPress/Botafogo
Vitor Silva/SSPress/Botafogo

Botafogo e Santos empatam em jogo com polêmica de arbitragem no fim

Alvinegros não saíram do zero em duelo no Engenhão, pelo Campeonato Brasileiro

Leandro Silveira, Estadão Conteúdo

04 Agosto 2018 | 18h13

Em jogo fraco no Engenhão, Botafogo e Santos não saíram do 0 a 0 na abertura da 17ª rodada do Campeonato Brasileiro, em resultado ruim para as duas equipes, que trocaram recentemente de técnico e seguem em má fase na retomada das competições após a disputa da Copa do Mundo da Rússia.

+ TEMPO REAL - Botafogo 0 x 0 Santos

+ Botafogo anuncia Zé Ricardo como técnico da equipe após saída de Paquetá

O confronto foi o primeiro do Botafogo após a demissão de Marcos Paquetá, que somou quatro derrotas e uma vitória nos cinco jogos em que dirigiu o time. Neste sábado, então, a equipe foi comandada interinamente por Bruno Lazaroni, sendo que a diretoria anunciou a contratação de Zé Ricardo horas antes do duelo no Engenhão.

Já o Santos agora é dirigido por Cuca, que havia estreado na quarta-feira, na derrota por 1 a 0 para o Cruzeiro, pelas quartas de final da Copa do Brasil. E o treinador acabou não sendo atendido não seu pedido por uma postura mais agressiva da sua equipe, que só não foi derrotada porque a arbitragem anulou um gol botafoguense nos minutos finais após muita indecisão. Além disso, sofreu com mais uma apagada atuação de Gabriel, substituído logo nos minutos iniciais do segundo tempo.

O jogo foi acompanhado no Engenhão por Tite, que nas próximas semanas vai convocar a seleção brasileira para os primeiros compromissos após a Copa do Mundo, em setembro, contra Estados Unidos e El Salvador. Mas o técnico não viu nada que pudesse empolgá-lo, o que incluiu a apagada atuação de Rodrygo.

O empate levou o Santos aos 17 pontos no Brasileirão, muito ameaçado pelo risco de rebaixamento. E o seu próximo compromisso será na quarta-feira, no Estádio Presidente Vargas, diante do Ceará. Já o Botafogo chegou aos 21 pontos, em décimo lugar. E sob o comando de Zé Ricardo, o time voltará a jogar apenas em 12 de agosto, como visitante, diante do Paraná.

O JOGO

Cada time entrou em campo com uma grande novidade na escalação. Com as ausências dos laterais Moisés e Gilson, Bruno Lazaroni apostou no jovem Yuri no lado esquerdo da defesa, sendo que o jogador não atuava desde fevereiro de 2017. Enquanto isso, o meio-campista Carlos Sánchez, recém-contratado, estreou pelo Santos, que teve o técnico Cuca saudado pela torcida botafoguense antes do jogo.

E o uruguaio até teve um início de jogo bastante participativo, ajudando nos desarmes e também na criação de lances do Santos, que tentava tomar a iniciativa. Mas o jogo era morno, com muitos erros e pouca intensidade das equipes, situação que só foi se alterar na reta final do primeiro tempo.

Nesse momento da partida, o Botafogo conseguiu impor pressão, em jogadas quase sempre pelo lado direito do seu ataque, explorando a dificuldade de Dodô na marcação. E o time desperdiçou uma série de oportunidades. Foi assim aos 36 minutos, quando chute de Léo Valência, que tinha o gol como destino, foi interceptado por Victor Ferraz. Aos 37, Luiz Fernando finalizou para fora quase da pequena área, em jogada iniciada após erro de Gustavo Henrique.

O fim do primeiro tempo também representou o término do sufoco e dos sustos para o Santos, que conseguiu reequilibrar a partida na etapa final ao controlar mais a posse de bola, embora Igor Rabello quase tenha marcado em cabeceio logo no primeiro minuto, após cruzamento.

Mas com os times sendo pouco criativos, o lance mais perigoso acabou surgindo quase ao acaso, em um corte errado da defesa do Botafogo, aos 12 minutos. No lance, a bola sobrou para Victor Ferraz, que finalizou para a defesa de Saulo. A bola sobrou para Yuri Alberto, que havia acabado de entrar no lugar de Gabriel, e terminou em mais uma defesa do goleiro.

Depois desse raro momento de emoção, o jogo retornou ao marasmo. O Botafogo não conseguiu aproveitar que o sistema defensivo adversária estava quase toda amarelada, enquanto no Santos nem a estreia de Derlis González tornou o seu ataque mais perigoso.

E quando a parecia caminhava para terminar sem gols, Renatinho chegou a marcar para o Botafogo, aos 39 minutos, mas o árbitro Paulo Roberto Alves Júnior, após alguma indecisão, anulou o lance por considerar que Luiz Fernando, que estava impedido, também correu na direção da bola. Depois da decisão polêmica, o Botafogo, nos instantes finais, tentou impor pressão, mas não teve sucesso. O jogo, assim, ficou mesmo no 0 a 0. Ninguém merecia mesmo vencer.

FICHA TÉCNICA

BOTAFOGO 0 X 0 SANTOS

BOTAFOGO - Saulo; Marcinho, Joel Carli, Igor Rabello e Yuri; Rodrigo Lindoso, Matheus Fernandes, Leo Valência (Renatinho) e Luiz Fernando (Ezequiel); Rodrigo Pimpão (Aguirre) e Kieza. Técnico: Bruno Lazaroni.

SANTOS - Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Dodô; Alison (Diego Pituca), Renato e Carlos Sánchez; Rodrygo, Gabriel (Yuri Alberto) e Bruno Henrique (Derlis González). Técnico: Cuca.

ÁRBITRO - Paulo Roberto Alves Júnior (PR).

CARTÕES AMARELOS - Matheus Fernandes (Botafogo); Alison, Luiz Felipe, Gustavo Henrique, Dodô e Derlis González (Santos).

RENDA - R$ 122.665.

PÚBLICO - 6.261 pagantes (6.940 presentes).

LOCAL - Engenhão, no Rio.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.