Vitor Silva/SSPress/Botafogo
Vitor Silva/SSPress/Botafogo

Botafogo e Santos empatam em jogo com polêmica de arbitragem no fim

Alvinegros não saíram do zero em duelo no Engenhão, pelo Campeonato Brasileiro

Leandro Silveira, Estadão Conteúdo

04 de agosto de 2018 | 18h13

Em jogo fraco no Engenhão, Botafogo e Santos não saíram do 0 a 0 na abertura da 17ª rodada do Campeonato Brasileiro, em resultado ruim para as duas equipes, que trocaram recentemente de técnico e seguem em má fase na retomada das competições após a disputa da Copa do Mundo da Rússia.

+ TEMPO REAL - Botafogo 0 x 0 Santos

+ Botafogo anuncia Zé Ricardo como técnico da equipe após saída de Paquetá

O confronto foi o primeiro do Botafogo após a demissão de Marcos Paquetá, que somou quatro derrotas e uma vitória nos cinco jogos em que dirigiu o time. Neste sábado, então, a equipe foi comandada interinamente por Bruno Lazaroni, sendo que a diretoria anunciou a contratação de Zé Ricardo horas antes do duelo no Engenhão.

Já o Santos agora é dirigido por Cuca, que havia estreado na quarta-feira, na derrota por 1 a 0 para o Cruzeiro, pelas quartas de final da Copa do Brasil. E o treinador acabou não sendo atendido não seu pedido por uma postura mais agressiva da sua equipe, que só não foi derrotada porque a arbitragem anulou um gol botafoguense nos minutos finais após muita indecisão. Além disso, sofreu com mais uma apagada atuação de Gabriel, substituído logo nos minutos iniciais do segundo tempo.

O jogo foi acompanhado no Engenhão por Tite, que nas próximas semanas vai convocar a seleção brasileira para os primeiros compromissos após a Copa do Mundo, em setembro, contra Estados Unidos e El Salvador. Mas o técnico não viu nada que pudesse empolgá-lo, o que incluiu a apagada atuação de Rodrygo.

O empate levou o Santos aos 17 pontos no Brasileirão, muito ameaçado pelo risco de rebaixamento. E o seu próximo compromisso será na quarta-feira, no Estádio Presidente Vargas, diante do Ceará. Já o Botafogo chegou aos 21 pontos, em décimo lugar. E sob o comando de Zé Ricardo, o time voltará a jogar apenas em 12 de agosto, como visitante, diante do Paraná.

O JOGO

Cada time entrou em campo com uma grande novidade na escalação. Com as ausências dos laterais Moisés e Gilson, Bruno Lazaroni apostou no jovem Yuri no lado esquerdo da defesa, sendo que o jogador não atuava desde fevereiro de 2017. Enquanto isso, o meio-campista Carlos Sánchez, recém-contratado, estreou pelo Santos, que teve o técnico Cuca saudado pela torcida botafoguense antes do jogo.

E o uruguaio até teve um início de jogo bastante participativo, ajudando nos desarmes e também na criação de lances do Santos, que tentava tomar a iniciativa. Mas o jogo era morno, com muitos erros e pouca intensidade das equipes, situação que só foi se alterar na reta final do primeiro tempo.

Nesse momento da partida, o Botafogo conseguiu impor pressão, em jogadas quase sempre pelo lado direito do seu ataque, explorando a dificuldade de Dodô na marcação. E o time desperdiçou uma série de oportunidades. Foi assim aos 36 minutos, quando chute de Léo Valência, que tinha o gol como destino, foi interceptado por Victor Ferraz. Aos 37, Luiz Fernando finalizou para fora quase da pequena área, em jogada iniciada após erro de Gustavo Henrique.

O fim do primeiro tempo também representou o término do sufoco e dos sustos para o Santos, que conseguiu reequilibrar a partida na etapa final ao controlar mais a posse de bola, embora Igor Rabello quase tenha marcado em cabeceio logo no primeiro minuto, após cruzamento.

Mas com os times sendo pouco criativos, o lance mais perigoso acabou surgindo quase ao acaso, em um corte errado da defesa do Botafogo, aos 12 minutos. No lance, a bola sobrou para Victor Ferraz, que finalizou para a defesa de Saulo. A bola sobrou para Yuri Alberto, que havia acabado de entrar no lugar de Gabriel, e terminou em mais uma defesa do goleiro.

Depois desse raro momento de emoção, o jogo retornou ao marasmo. O Botafogo não conseguiu aproveitar que o sistema defensivo adversária estava quase toda amarelada, enquanto no Santos nem a estreia de Derlis González tornou o seu ataque mais perigoso.

E quando a parecia caminhava para terminar sem gols, Renatinho chegou a marcar para o Botafogo, aos 39 minutos, mas o árbitro Paulo Roberto Alves Júnior, após alguma indecisão, anulou o lance por considerar que Luiz Fernando, que estava impedido, também correu na direção da bola. Depois da decisão polêmica, o Botafogo, nos instantes finais, tentou impor pressão, mas não teve sucesso. O jogo, assim, ficou mesmo no 0 a 0. Ninguém merecia mesmo vencer.

FICHA TÉCNICA

BOTAFOGO 0 X 0 SANTOS

BOTAFOGO - Saulo; Marcinho, Joel Carli, Igor Rabello e Yuri; Rodrigo Lindoso, Matheus Fernandes, Leo Valência (Renatinho) e Luiz Fernando (Ezequiel); Rodrigo Pimpão (Aguirre) e Kieza. Técnico: Bruno Lazaroni.

SANTOS - Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Dodô; Alison (Diego Pituca), Renato e Carlos Sánchez; Rodrygo, Gabriel (Yuri Alberto) e Bruno Henrique (Derlis González). Técnico: Cuca.

ÁRBITRO - Paulo Roberto Alves Júnior (PR).

CARTÕES AMARELOS - Matheus Fernandes (Botafogo); Alison, Luiz Felipe, Gustavo Henrique, Dodô e Derlis González (Santos).

RENDA - R$ 122.665.

PÚBLICO - 6.261 pagantes (6.940 presentes).

LOCAL - Engenhão, no Rio.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.