Fabrice Coffrini / AFP
Fabrice Coffrini / AFP

CAS anula punição e Milan poderá jogar Liga Europa na temporada 2018-19

Clube havia sido excluído de torneios europeus pelas próximas duas temporadas por violações ao fair play financeiro

Estadão Conteúdo

20 de julho de 2018 | 09h20

A Corte Arbitral do Esporte (CAS) reverteu decisão da UEFA que excluía o Milan de competições europeias como punição por violar o fair play financeiro da entidade. Dessa forma, o clube italiano está liberado para atuar na próxima edição da Liga Europa, vaga que conquistou ao terminar o último Campeonato Italiano em sexto lugar.

+ Cristiano Ronaldo valoriza a Juventus e o futebol italiano

+ Denunciado por fraude, Parma pode perder acesso à Série A

+ Em grave crise financeira, três clubes de futebol italiano decretam falência

Na justificativa da decisão, a CAS apontou que o time realmente quebrou as regras do fair play financeiro, mas a punição não atendia aos princípios da proporcionalidade e por isso a cancelou. O tribunal negou, no entanto, o pedido do Milan para que um acordo entre o clube e a comissão disciplinar da UEFA fosse discutido e afirmou que medidas disciplinares adequadas ainda devem ser aplicadas.

Desta forma, o Milan entra na fase de grupos da Liga Europa, enquanto a Atalanta vai disputar o mata-mata prévio. A Fiorentina, por sua vez, que havia herdado a vaga anteriormente, fica de fora. 

No início da temporada 2017-18, o Milan foi comprado pelo empresário chinês Yonghong Li e contratou um time inteiro de reforços para a equipe, gastando mais do que havia arrecadado. A situação chamou a atenção da UEFA, que passou a investigar a situação financeiro do time italiano. A Uefa considerou que o clube não conseguiu prover as garantias necessárias de que conseguiria lidar com as dívidas contraídas no médio prazo e, por isso, o puniu com a exclusão dos torneios europeus por duas temporadas (2018-19 e 2019-20).

Recentemente, Li perdeu o controle do Milan para um fundo de investimentos dos Estados Unidos, o Elliot Sports Management, por não conseguir honrar os débitos que fez com o grupo para comprar o time. A presença dos americanos como donos do clube pode ter sido um dos fatores que levou o CAS a aceitar parcialmente o recurso do clube, já que os novos controladores anunciaram a intenção de investir pelo menos 50 milhões de euros (R$ 223 milhões) no clube imediatamente e mais dinheiro no longo prazo.

A decisão foi comemorada pelo zagueiro Leonardo Bonucci nas redes sociais. Para ele, o Milan reconquistou o direito a algo que havia conseguido dentro de campo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.