Ale Vianna/Nacional
Ale Vianna/Nacional

Clubes da capital disputam a Copa Paulista com alvos distintos

Juventus e Nacional querem construir base visando o próximo ano; Portuguesa tenta voltar às disputas nacionais

Luis Filipe Santos, O Estado de S.Paulo

02 Agosto 2018 | 05h00

A Copa Paulista, salvação das equipes do Estado que não têm calendário no segundo semestre do ano, começa nesta sexta-feira. Na disputa, 27 times, cinco a mais do que na edição passada, que brigarão por uma vaga no Brasileiro da Série D em 2019 ou na Copa do Brasil - o campeão escolherá a competição de que irá participar e o vice ficará com a outra vaga. A partida inaugural reunirá Audax e Taboão da Serra. O certame conta com times tradicionais, como Bragantino, São Caetano e três da capital paulista: Portuguesa, Juventus e Nacional.

+ Romero brilha mais uma vez e Corinthians derrota a Chapecoense

+ Na estreia de Cuca e do VAR, Santos perde para o Cruzeiro na Vila

A maior pressão está com a Portuguesa, que disputa a Copa pelo segundo ano consecutivo. A equipe rubro-verde vem de descensos consecutivos em torneios nacionais. Apesar disso, o treinador da equipe, Alan Aal, diz que prefere encarar como uma oportunidade para recomeçar. “Penso que a nossa necessidade de vencer pode ser maior que a dos adversários, e tento trabalhar isso no dia a dia, falando dessa necessidade e também do quanto será marcante na história do clube e como poderá ser benéfico nas nossas carreiras. Todos aqui, em todos os departamentos, sabem da importância da reconstrução.”

A Portuguesa tem um elenco enxuto, com 26 jogadores. O treinador diz que quer aproveitar a base montada durante a disputa da Série A2, quando o time terminou em 12.º entre 16 participantes. Ficaram 11 remanescentes daquele grupo, quatro garotos da base subiram para o profissional e 10 reforços foram contratados.

Aal espera muitas dificuldades. “Estamos nos preparando para jogos muito difíceis, equilibrados, que vão exigir muito de nós. Mas as expectativas são muito boas.” No grupo da Portuguesa estão Ituano, Audax, Taboão da Serra, Atibaia e os outros dois times da capital.

No Juventus, ninguém esconde que, tão ou mais importante que se classificar para a próxima fase da Copa Paulista, é formar um time para a disputa da Série A2 do Campeonato Paulista em 2019. O clube quer evitar o sofrimento que passou no torneio estadual em 2018, quando quase foi rebaixado.

“Queremos chegar forte para brigar pelo acesso, com uma base já montada, eu diria que uns 70% já montados ao final da Copa Paulista. Aí, procuramos um ou outro reforço, prestamos atenção a alguém da base que possa aparecer na Copa São Paulo e teremos nosso time para buscar o retorno para a A1”, afirma o técnico Alex Alves.

A maior parte do elenco é formada de atletas da base, alguns que já estavam no profissional desde 2017 e outros que subiram recentemente. Foram feitas oito contratações.

Segundo o diretor de futebol do clube, Vitor Faustino, isso é parte de um projeto para que o Juventus volte a revelar bons jogadores e ser visto como formador. “Queremos que o clube volte a ser visto como um bom início para a carreira de atletas, como foi com o Alex e com tantos outros. Se o clube conseguir vender dois dos atletas que já estão neste elenco, já seria muito bom. Para você ter uma noção, nas categorias de base, todas passaram de fase no campeonato paulista. Está havendo uma evolução”, afirmou.

Assim como o Juventus, o Nacional visa o acesso para a Série A1 do Campeonato Paulista, que não disputa há 59 anos. Subir em 2019 seria especial para o clube, já que é o ano do centenário. Ainda assim, o clube se preocupa com a Copa Paulista e realizou uma preparação diferente dos demais adversários.

“Fizemos um convênio com o Novoperário, do Mato Grosso do Sul, e fomos todos para lá para disputar a série D do Brasileirão. Foi todo mundo, jogadores, técnico, comissão. Assim, mantivemos o ritmo de jogo durante meses em que ficaríamos parados, mesmo com as folgas que os atletas tiveram antes e depois da viagem e os treinos visando a Copa”, conta o diretor executivo de futebol do clube, Paulo Tognasini.

O Nacional foi o que menos contratou dos times da capital: apenas cinco reforços, apesar das perdas de alguns atletas. O meia Thiaguinho e o atacante Bruno Xavier, por exemplo, foram para o Corinthians após se destacarem na A2 deste ano, quando a equipe da Barra Funda ficou a apenas um ponto de ir para o mata-mata.

A exemplo ao ano passado, os jogos da Copa Paulista serão transmitidos ao vivo no Facebook, na página oficial da Federação Paulista de Futebol. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.