Cristiane Mattos/ AFP
Cristiane Mattos/ AFP

Com aposta em Aguirre, São Paulo quer estabelecer padrão de jogo e fim de oscilações

Treinador uruguaio é favorito para assumir o posto deixado por Dorival Junior no time tricolor

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

10 Março 2018 | 01h00

O São Paulo age rápido para contratar o substituto de Dorival Junior e as negociações avançaram ontem logo após a confirmação da saída do treinador. Favorito da diretoria tricolor, Diego Aguirre é a principal aposta pelo perfil experiente e já desperta no clube a expectativa de que consiga dar ao time um padrão estável em campo, uma das principais carências durante o ciclo de Dorival.

Diego Aguirre agrada diretoria do São Paulo e é favorito para o lugar de Dorival

O diretor executivo de futebol do clube, Raí, não confirma o nome do uruguaio nem de outros que poderiam ser alternativa, mas garante que a contratação deve ser concretizada rapidamente. De acordo com o executivo, o clube quer um treinador com perfil similar ao de André Jardine, ex-técnico da base que assume o time interinamente enquanto o novo comandante não chega. 

“A negociação está avançada com o novo treinador e com sua comissão técnica, e a previsão é de fecharmos em poucos dias”, afirma Raí. “O perfil que buscamos é de alguém como o Jardine. Com experiência, postura e que estabeleça um padrão de jogo para o time.”

Junto com Jardine, que passa a integrar a comissão técnica permanente do São Paulo, o novo treinador e mais um auxiliar serão contratados para dar a nova cara ao tricolor. Além de Dorival, foram demitidos seu filho Lucas Silvestre e Leonardo Porto. Os demais membros da comissão, como preparadores físicos e de goleiros, foram mantidos. 

Raí detalha plano de ascensão para Jardine no São Paulo: 'Investimento de médio prazo'

Dorival caiu horas depois do péssimo desempenho do time diante do Palmeiras anteontem. Na coletiva depois do jogo, cabisbaixo, já sabia que o resultado ruim e a péssima atuação diante do rival alviverde teriam séria consequência, pois estava bancado no cargo com a condição de fazer o time construir bons resultados jogando bem.

“Não estávamos no caminho certo”, admite Raí. “A gente confiava em Dorival e demos várias chances, mas ele próprio percebia que os resultados não estavam aparecendo. Não foi uma decisão de uma hora para a outra. Dorival e sua comissão são vividos no futebol, sabem da necessidade não só de resultados, mas de convencimento de jogo. Além da óbvia baixa pontuação e aproveitamento muito ruim, também faltava estabilidade.”

Demitido, Dorival agradece lealdade no São Paulo e garante: 'Não faltou dedicação'

Demitido, Dorival disse na saída do CT da Barra Funda que acredita ter deixado uma “boa base” para o time e que os resultados vão aparecer em questão de tempo. “Tentamos fazer nosso melhor para que o São Paulo pudesse encontrar um caminho. Deixamos uma bela base e que ainda vai crescer. Agora é aguardarmos. O tempo vai mostrar isso.”

A movimentação rápida da diretoria tricolor na busca por um novo técnico se explica pelo momento da equipe. Se, no cenário ideal para a diretoria, o novo técnico chega no início da semana, ele terá de cara dois jogos importantes: na quarta, contra o CRB, o confronto de volta da 3.ª fase da Copa do Brasil, em Maceió, e no fim de semana, a primeira partida das quartas de final do Paulistão contra o São Caetano, que terá mando e horário definidos em sorteio na terça-feira. 

Apesar de Aguirre ser unanimidade entre os comandantes do futebol tricolor, o uruguaio ainda não é consenso nos corredores do Morumbi, onde conselheiros tentam convencer a diretoria a apostar em outros nomes, como Leonardo e Paulo Autuori. Uma ala de apoiadores do presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, também vê com bons olhos a possível contratação de Abel Braga, hoje no Fluminense. Vanderlei Luxemburgo também já foi cogitado, mas há bastante resistência em relação a seu nome no Morumbi.

Mais conteúdo sobre:
Diego Aguirre São Paulo Futebol Clube

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.