Giuseppe Cacace/AFP
Giuseppe Cacace/AFP

Confiante, Mandzukic vê 'semelhanças' entre Croácia atual e 3ª colocada de 1998

Atacante da Juventus aposta em grande campanha croata na Copa da Rússia

Estadão Conteúdo

12 Junho 2018 | 16h58

A seleção croata surpreendeu o mundo do futebol há 20 anos, quando alcançou sua melhor colocação em uma Copa do Mundo ao terminar em terceiro lugar na França. Duas décadas depois, a nova leva de jogadores do país sonha em ao menos se aproximar daquele feito. Um dos principais nomes da equipe atual, o atacante Mario Mandzukic vê "semelhanças" entre as gerações.

+ Messi e mais cinco argentinos são testados em exame antidoping surpresa da Fifa

+ Por segurança, Fifa faz varredura no local de treino da seleção em Sochi

"A gente tem mencionado estas semelhanças há algum tempo, e sabemos que temos um bom time, com bons jogadores. Nós temos nossas metas, e a primeira é passar pela fase de grupos. Achamos que somos capazes disso. Temos a intenção de fazer algo grande, mas não somos os únicos que querem alcançar isso. Então, este desejo precisa ser mostrado em campo", declarou em entrevista coletiva nesta terça-feira.

Em 1998, a Croácia contava com uma talentosa geração que brilhava em alguns dos principais clubes da Europa, como os defensores Igor Tudor, da Juventus, e Soldo, do Stuttgart, os meio-campistas Stanic, do Parma, e Boban, do Milan, e, principalmente, o atacante Davor Suker, do Real Madrid, que seria o artilheiro da Copa.

Na atualidade, os destaques são os defensores Lovren, do Liverpool, e Vrsaljko, do Atlético de Madrid, os meio-campistas Kovacic e Modric, do Real Madrid, Brozovic e Perisic, da Inter de Milão, e Rakitic, do Barcelona, além do próprio Mandzukic, da Juventus.

 

"Nós conseguimos entrar na Copa do Mundo, o que é o mais difícil, e agora temos um objetivo em comum. Estamos focados no primeiro jogo, e o treinador saberá como nos preparar", projetou o atacante.

A seleção croata está no Grupo D da Copa do Mundo e estreia diante da Nigéria, neste sábado, em Caliningrado. Além das duas equipes, a chave conta ainda com a Argentina e a Islândia.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.