Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Galiotte: 'Não mudamos de treinador por causa de um resultado'

Presidente do Palmeiras afirma ter demitido Roger Machado pela falta de evolução do time nos últimos jogos

O Estado de S. Paulo

26 de julho de 2018 | 14h30

O presidente do Palmeiras, Mauricio Galiotte, explicou nesta quinta-feira os motivos da decisão da diretoria de demitir o técnico Roger Machado logo depois da derrota do time por 1 a 0 para o Fluminense, no Rio de Janeiro. Em entrevista na chegada do time ao aeroporto de Congonhas, o dirigente explicou que a decisão não foi tomada apenas pelo último resultado, mas sim pelo desempenho ruim do time.

+ Luxemburgo nega ter recebido contato do Palmeiras

+ Tabela do Campeonato Brasileiro

"Não mudamos de treinador por causa de um resultado. Fato é que a gente, nos últimos jogos, notamos que o Palmeiras caiu de rendimento. Por esse motivo é que a gente decidiu pela alteração do comando técnico", afirmou Galiotte. Na gestão dele, iniciada no começo de 2017, também já passaram pelo time outros três treinadores: Eduardo Baptista, Cuca e Alberto Valentim, interino durante o fim do ano passado.

Segundo o presidente, o Palmeiras deveria ter evoluído durante a parada para a Copa do Mundo. "Usamos a parada da Copa para mudar aquilo que a gente já vinha observando. Antes da parada da Copa tinha queda de rendimento. Não conseguimos, então fizemos a mudança", disse. Em três jogos realizados depois da paralisão, a equipe empatou um, ganhou outro e perdeu o terceiro.

Galiotte prometeu que breve o clube deve definir o novo técnico. "Se for necessário, temos de fazer (mudar o treinador). Estamos definindo ainda hoje (quem será o substituto), vamos em breve passar para vocês o que a gente pensa, a nossa ideia. Em breve isso será definido", comentou. Interinamente a equipe será dirigida por Wesley Carvalho, comandante do elenco sub-20.

 
 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.