Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Jogadores da Dinamarca saem da concentração e passeiam na Praça Vermelha

Dinamarqueses se descontraem antes de duelo contra a França

Ciro Campos, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

25 Junho 2018 | 17h30

Mesmo na véspera do jogo decisivo contra a França, nesta terça-feira, pela Copa do Mundo, os jogadores da Dinamarca não quiseram ficar presos ao hotel da delegação, no centro de Moscou. Um grupo de dez atletas do time preferiu passear discretamente pela Praça Vermelha, principal ponto turístico da capital russa, em vez do confinamento da concentração.

+ Fifa pune Federação Dinamarquesa por cartaz sexista exibido pela torcida

+ Técnico diz que a Dinamarca não pensa no empate, mas pede cautela contra a França

A reportagem do Estado encontrou o grupo de atletas por volta das 21h (horário local). Titulares como o meia Thomas Delaney e o goleiro Kasper Schmeichel caminhavam perto da catedral de São Nicolau enquanto turistas do mundo inteiro também circulavam pela região. Os dinamarqueses vestiam o agasalho da seleção, na cor negra.

Os jogadores se comportavam de forma discreta e não foram incomodados por muitos turistas. O grupo andava reunido e não quis parar para entrevistas ou para atender os poucos pedidos de fotos de quem passava pelo local e os reconheceu. Os dinamarqueses chegaram à cidade no domingo e na tarde desta segunda, realizaram um treino fechado no Estádio Luzhniki, local do jogo com a França.

 

A caminhada dos jogadores incluiu ruas movimentadas do centro de Moscou e tomadas por torcedores nesta época de Copa do Mundo. Para se entrar na região principal da Praça Vermelha, por exemplo, é preciso passar por um rígido controle de segurança, como detectores de metais e inspeções de mochilas.

O confronto com a França é decisivo para os dinamarqueses, que precisam pelo menos de um empate nesta terça para não dependerem de outros resultados no Grupo C. Os concorrentes diretos à vaga são os australianos. A equipe da Oceania enfrenta em Sochi, também nesta terça, a já eliminada seleção do Peru e precisa de uma vitória, aliada ao tropeço da Dinamarca, para poder avançar.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.