Vinnicius Silva/Cruzeiro
Vinnicius Silva/Cruzeiro

Mano confirma ausência de Henrique e faz mistério sobre escalação do Cruzeiro

Time celeste enfrenta o Ceará no domingo, pelo Campeonato Brasileiro, no Castelão

Estadão Conteúdo

01 Junho 2018 | 19h14

O Cruzeiro realizou um treino recreativo nesta sexta-feira, às vésperas do confronto diante do Ceará, domingo, no Castelão, pelo Campeonato Brasileiro. O técnico Mano Menezes fez mistério e não confirmou a escalação que vai a campo em busca da quarta vitória consecutiva na temporada.

+ Exaltado por Mano, Rafael Sóbis festeja gol decisivo em 100º jogo pelo Cruzeiro

A única confirmação dada por Mano foi a ausência de Henrique. Depois de desfalcar o Cruzeiro no triunfo de quarta-feira sobre o Palmeiras, o volante voltará a ser poupado no fim de semana. Robinho, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, também é desfalque certo, mas seu substituto não foi revelado pelo treinador.

"Henrique está fora. Ainda vamos deixar mais um jogo fora. Posso fazer com Romero essa formação. É possível fazer. Estamos sem Robinho, então vamos utilizar Thiago Neves mais solto, como sempre fizemos. E vamos decidir se vamos utilizar mais um meia na função de Robinho, ou se vamos iniciar com o Bruno (Silva) fazendo a função, deixando o restante da formação como estava", projetou.

Sem Henrique, Lucas Romero deve ser mantido no meio de campo. Bruno Silva é o mais cotado para substituir Robinho, mas Mancuello pode ser a opção se Mano quiser mexer menos no jeito de jogar da equipe.

O treinador, porém, ainda tem outras dúvidas. Lucas Silva alegou dores musculares após o triunfo de quarta e pode deixar a equipe. Se isto acontecer, Ariel Cabral deve ser titular. Há ainda a possibilidade de Sassá ser sacado e Thiago Neves atuar como "falso 9".

Independente da escalação, Mano cobrou seriedade do Cruzeiro até a Copa do Mundo, mesmo diante de adversários teoricamente mais fáceis. Depois de pegar o Ceará (penúltimo colocado), o time celeste terá pela frente Vasco (11.º), Chapecoense (15.º) e Paraná (último).

"Não se tem facilidades. O adversário pode estar mal colocado, mas, se você não fizer um bom jogo, não consegue os pontos. O fato de jogarmos mais jogos fora de casa é o que a tabela nos reservou e, por isso, temos a necessidade de pontuar fora de casa também. Se conseguirmos fazer isso, não só encaminhamos uma boa situação até a parada da Copa, como também abrimos boas possibilidades para o futuro", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.