Ueslei Marcelino / Reuters
Ueslei Marcelino / Reuters

Nagatomo admite favoritismo da Bélgica e diz que Japão jogará despreocupado

Para lateral, adversários da primeira fase tinham mais qualidade, mas ainda assim a seleção japonesa conseguiu se classificar

Estadão Conteúdo

29 Junho 2018 | 09h18

O lateral-esquerdo Yuto Nagatomo admitiu que o Japão é uma seleção inferior à Bélgica, mas acredita que os japoneses podem alcançar a classificação às quartas de final da Copa do Mundo. O duelo vai ser realizado às 15 horas (de Brasília) de segunda-feira, em Rostov.

+ Técnico admite que orientou Japão a segurar derrota mínima contra a Polônia

+ Técnico de Senegal evita culpar critério por eliminação: 'Não merecemos avançar'

"Vai ser uma partida difícil, definitivamente. A Bélgica tem um time melhor que o nosso. Entretanto, o Japão agora pode jogar com confiança. Nós não temos nada a perder", disse o defensor em entrevista ao site da Fifa publicada nesta sexta-feira.

Em campo durante todos os minutos disputados pelo Japão no Mundial, Nagatomo comemorou a classificação na primeira fase, em uma chave que ele considerou difícil. No Grupo H, o Japão venceu a Colômbia por 2 a 1, no dia 19, em Saransk, empatou com Senegal por 2 a 2, no último domingo, em Ecaterimburgo, e perdeu para a Polônia por 1 a 0, nesta quinta-feira, em Volgogrado.

 

"As três equipes que enfrentamos tinham mais qualidade do que a gente e toda partida foi difícil. Termos passado de fase é algo que pode nos alegrar", disse o lateral-esquerdo, que viu o Japão conquistar a segunda vaga na chave por causa do critério disciplinar, já que a seleção empatou com Senegal em número de pontos, saldo de gols, gols marcados e confronto direto.

"Nós temos noção do que somos capazes e competimos com muito empenho. Todo jogador tem feito a coisa básica, que é correr até o fim do jogo. E temos sido uma equipe unida. Acho que é a principal razão para termos chegado aqui", discursou o atleta japonês.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.