Lucas Uebel/Grêmio
Lucas Uebel/Grêmio

No Grêmio, Bressan pede concentração e foco para vencer o Palmeiras

Equipes se enfrentam nesta quarta-feira, em Porto Alegre, pelo Campeonato Brasileiro

Estadão Conteúdo

05 Junho 2018 | 20h06

O zagueiro Bressan, do Grêmio, enfatizou nesta terça-feira que uma das principais armas da equipe para vencer o Palmeiras é a concentração, na partida marcada para esta quarta, às 21h45, na Arena Grêmio, em Porto Alegre, pela 10.ª rodada do Campeonato Brasileiro.

+ Luan, Léo Moura e Arthur voltam ao Grêmio para encarar o Palmeiras

+ Renato Gaúcho elogia atuação do Grêmio contra o Bahia e valoriza vitória

Para o defensor, o jogo entre as duas equipes de melhor campanha na Copa Libertadores promete ser bastante disputado porque ambas buscam permanecer também nas primeiras posições do Brasileirão. O time tricolor gaúcho é o terceiro colocado, com 16 pontos, e o alviverde é o sétimo, com 14.

"É um grande confronto. Vale três pontos no Brasileiro. Eles vêm de vitória, nós também. E estamos brigando pelas primeira posições do campeonato da mesma forma. Será um grande jogo, bonito. As duas equipes gostam de jogar com a bola, buscando sempre o gol. A equipe que tiver mais concentrada, querendo mais e atenta aos detalhes, vai fazer a diferença para sair com a vitória", avaliou o jogador, que substitui Pedro Geromel, que serve a seleção brasileira para a disputa da Copa do Mundo.

Bressan tem dado conta do recado. O sistema defensivo não sofre gols há cinco partidas e é o time menos vazado da competição, com apenas três gols. "Fico feliz. Mas isso não significa que é só mérito da dupla de zagueiros que estiver no jogo ou do sistema defensivo. Nossa equipe tem um conjunto muito forte. Defendemos muito bem porque os atacantes lá na frente fazem a parte deles. E o meio de campo também. Da mesma forma que, quando fazemos os gols, é porque desde lá de trás a bola chega limpa para o pessoal da frente".

O atleta comentou ainda sobre o técnico do Palmeiras, Roger Machado, que reencontra o Grêmio pela primeira vez desde que assumiu a equipe paulista, no final do ano passado. "É uma grande pessoa. Tive a oportunidade de trabalhar com ele, assim como muitos jogadores do atual elenco. Temos uma grande admiração por ele e por tudo que ele fez aqui. Mas ele é nosso adversário agora. A gente sabe das qualidades que ele tem, a maneira como monta as equipes dele, e o Renato da mesma forma. Então vai ser um grande confronto, de dois grandes treinadores, duas grandes equipes que buscam ser campeãs ao final do campeonato", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.