Lucas Uebel / Grêmio FBPA
Lucas Uebel / Grêmio FBPA

Renato Gaúcho discorda de Lisca e diz que futebol, além de seguro, ajuda no isolamento social

'Estamos fazendo um favor para o povo, porque, quando jogamos, é um motivo para o torcedor ficar em casa', disse o treinador do Grêmio

Redação, Estadão Conteúdo

04 de março de 2021 | 09h15

A pandemia do novo coronavírus no Brasil virou assunto no mundo do futebol na rodada de quarta-feira dos Estaduais. Após a goleada do Grêmio sobre o Brasil-RS, pelo Campeonato Gaúcho, o técnico Renato Gaúcho repercutiu o desabafo de Lisca, do América-MG, que criticou o início da Copa do Brasil já na semana que vem mesmo com o país envolto na luta contra a covid-19 e hospitais superlotados.

O treinador gremista foi convidado a comentar as observações do amigo, que chamou atenção da CBF sobre os deslocamentos entre os clubes que disputam o mata-mata nacional - para ele, a circulação de tantas pessoas entre Estados pode prejudicar a já delicada situação do Brasil. Renato Gaúcho defendeu a continuação dos jogos e deixou claro que, na sua opinião, o futebol é positivo na ajuda contra as aglomerações e no monitoramento de casos.

"Eu adoro o Lisca, cada um tem sua opinião, mas eu queria deixar claro que o futebol é o local mais seguro. Estamos fazendo um favor para o povo, porque, quando jogamos, é um motivo para o torcedor ficar em casa. Mas não pode parar tudo no Brasil, daqui a pouco a pessoa não sai de casa, mas está morrendo de fome. É difícil essa situação, alguns não vão concordar, mas é a minha opinião", disse Renato Gaúcho.

O desabafo do técnico do clube mineiro aconteceu após o América-MG divulgar três novos casos de covid-19 no elenco principal. Em São Paulo, o Corinthians afastou oito jogadores infectados pelo vírus. Para sustentar a sua posição, Renato Gaúcho citou a quantidade de testes e cuidados que os clubes têm no dia a dia.

"É uma situação delicada porque essa variante está em todo lugar. Por um lado, as pessoas que estão com seu comércio fechado criticam o futebol. Uma que o futebol prende as pessoas em casa. Outro fato é que quem trabalha no futebol são pessoas capacitadas. Somos testados a cada três dias. Então, no momento que alguém tem algum sintoma, é imediatamente mandado pra casa", reforçou o técnico.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolGrêmioRenato GaúchoLisca

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.