Armando Babani/EFE
Armando Babani/EFE

Técnico da Nigéria diz que a seleção está 'fisicamente e mentalmente pronta'

Seleção comandada pelo alemão Gernot Rohr estreia na Copa do Mundo neste sábado, contra a Croácia

Estadão Conteúdo

15 Junho 2018 | 17h34

O técnico da Nigéria, o alemão Gernot Rohr, assegurou que os seus comandados estão preparados em todos os aspectos para a estreia na Copa do Mundo da Rússia, marcada para este sábado, às 16 horas (de Brasília) contra a Croácia, em Kaliningrado. Apesar da qualidade do rival europeu, ele crê que os nigerianos fizeram a melhor preparação possível.

+ Modric aposta no misto de juventude e experiência para boa campanha da Croácia

+ Atacante croata elege Nigéria como maior desafio em grupo para alcançar oitavas

"Estamos ansiosos para a partida e muito otimistas. Será um jogo duro, mas estamos física e mentalmente preparados. Nos preparamos bem com amistosos e treinamentos enquanto tivemos na Áustria e desde que chegamos aqui em Yessentuki, conseguimos evoluir taticamente", comentou. "É importante começar bem em um torneio difícil como é a Copa e é isso que esperamos fazer no sábado", completou.

Jogador mais velho da seleção mais jovem do torneio - média de idade de 25,9 - o meia Obi Mikel, aos 31 anos, é a referência da seleção africana no Mundial, o segundo de sua carreira após participar do último no Brasil.

O meia, que atualmente joga no Tianjin Teda, da China, vê o "grupo da morte" em que a Nigéria está como motivação para o time avançar à próxima fase. "Este grupo é, provavelmente, o mais difícil do torneio. Todos estão chamando de 'grupo da morte'. E é essa a motivação. Nós estabelecemos o objetivo de nos classificarmos nesta chave como fizemos nas Eliminatórias Africanas".

 

O grupo ao qual Obi Mikel se refere é o D, que além de Croácia, tem Argentina e Islândia. Apesar da dificuldade, o meia está confiante na classificação à fase seguinte. Os nigerianos chegaram nas oitavas de final em três edições e jogarão o torneio pela sexta vez em sua história.

"Como nosso técnico disse, trabalhamos duro tanto na Áustria como no pouco tempo que estamos aqui em Yessentuki. Daqui para frente, é nossa responsabilidade dar orgulho à nossa nação começando bem contra a Croácia", concluiu.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.