Paulo Fernandes / vasco.com.br
Paulo Fernandes / vasco.com.br

Vasco e Fluminense fazem clássico para encaminhar classificação na Taça Rio

Cruzmaltino visa ganhar confiança antes da Libertadores; tricolor tenta dissipar dúvidas sobre o time

Marcio Dolzan, Estadão Conteúdo

07 Março 2018 | 08h06

Líderes de seus grupos na Taça Rio, Vasco e Fluminense fazem um clássico nesta quarta-feira, no Engenhão, tentando encaminhar a classificação às semifinais do segundo turno do Campeonato Carioca. Apesar de nenhum dos técnicos confirmarem as equipes, os dois times deverão ir a campo com força máxima no compromisso válido pela quarta rodada.

+ Wagner vê clássico como teste para jogo do Vasco pela Libertadores

+ Ferj confirma reabertura do Maracanã com o Fluminense no domingo

Com três vitórias em três partidas, o Fluminense quer vencer para manter a confiança junto à torcida. Após um início de ano titubeante, o time de Abel Braga se acertou no esquema com três zagueiros e chegou a emendar uma sequência de oito partidas de invencibilidade - quebrada na semana passada pela derrota por 2 a 1 para o Avaí, pela Copa do Brasil.

A eficiência no esquema de jogo do time adversário foi abordada pelo técnico do Vasco, Zé Ricardo, nessa terça-feira, véspera da partida. "Nossa preocupação com o Flu é de uma forma geral. O Abel, com todo seu conhecimento, achou uma forma de jogar interessante", ponderou Zé Ricardo.

O treinador vascaíno não confirmou a equipe, mas indicou que vai usar o que tem de melhor à disposição. "Temos que ter tranquilidade, porque oscilações acontecem. Mas não podemos ficar mudando, senão gera falta de confiança", disse. "Não tenho como fazer muitas mudanças. Só com repetição que conseguimos um melhor condicionamento da nossa equipe."

No Fluminense, o zagueiro Renato Chaves pediu concentração total aos companheiros. "Clássico é diferente, atípico. Tem de concentrar mais do que o normal. Vai ser um jogo duro, um jogo bom", considerou. Para ele, o clássico com o Vasco será a partida mais difícil da equipe até aqui. "A tendência é que seja, porque clássico é clássico. Contra o Flamengo reserva também foi. Temos de entrar ligados", afirmou o defensor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.