Giuseppe Cacace/AFP
Giuseppe Cacace/AFP

Zagueiro da Costa Rica pede vitória sobre Suíça por 'despedida digna' da Copa

Seleção chega à última rodada eliminada do Mundial da Rússia

Estadão Conteúdo

24 Junho 2018 | 18h50

A Costa Rica entra em campo pela última rodada da Copa do Mundo já eliminada. A seleção centro-americana encara a Suíça na próxima quarta-feira, em Nijni Novgorod, e mesmo sem chances de irem às oitavas de final, os jogadores prometem máximo esforço em campo para conquistar os primeiros pontos na Rússia.

+ Costarriquenhos relatam tristeza, mas tentam 'virar a chave' após eliminação

+ Técnico da Costa Rica exalta estratégia que complicou o Brasil: 'Fomos perfeitos'

"É uma partida que temos que enfrentar com tudo e, sobretudo, tratar de buscar o resultado para nos despedirmos de forma digna daqui, com uma vitória", declarou o zagueiro Johnny Acosta neste domingo.

A campanha decepcionante na Rússia após surpreender o mundo há quatro anos no Brasil, quando foi às quartas de final, rendeu muitas críticas na Costa Rica. A imprensa local e a torcida procuram um culpado pela eliminação precoce e têm criticado bastante o sistema tático da seleção.

"Foram oito anos trabalhando sobre o mesmo sistema que nos deu muitos frutos, deu tudo que vivemos no Brasil e nos colocou aqui na Rússia. Por isso, creio que, no fim, as coisas não deram certo por outras situações que não saíram como queríamos", apontou o zagueiro Óscar Duarte.

 

O jogador considerou que o desempenho na Rússia passou por algumas situações em que faltou sorte e melhor aproveitamento ofensivo dos costarriquenhos. Afinal, a seleção perdeu apenas por um gol de diferença para a Sérvia (1 a 0) e segurou durante mais de 90 minutos o Brasil, só sendo vazada nos acréscimos na derrota por 2 a 0.

"Aqui, não aproveitamos as oportunidades claras de gol que tivemos, no Brasil aconteceu diferente. Tínhamos uma chance e a concretizávamos. Contra a Itália, lembro que só tivemos uma de frente para o gol e marcamos. Aqui, não tivemos clareza para anotar e, evidentemente, o gol define como foram estas partidas", disse Duarte.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.