Fábio Motta / Estadão
Fábio Motta / Estadão

Suíça vai cooperar para congelar ativos de Nuzman

Berna ainda pode passar ao Brasil as movimentações bancárias e ativos completos do cartola

Jamil Chade, correspondente em Genebra, O Estado de S.Paulo

05 Outubro 2017 | 13h32

A Suíça vai cooperar com o Ministério Público para identificar, congelar e eventualmente devolver os recursos de Carlos Arthur Nuzman aos cofres dos bancos do País. Segundo o Estadão apurou, o Departamento de Justiça e Polícia da Suíça recebeu um pedido de cooperação no dia 28 de setembro, referente aos ativos do dirigente brasileiro.

+ Patrimônio de presidente do COB cresceu 457%, aponta MPF

 + COI diz que poderá suspender Nuzman

Entre os pedidos da Justiça está o confisco de contas bancárias e de barras de ouro, em Genebra e Lausanne. Mas o que os procuradores brasileiros ainda pedem é que os investigadores suíços identifiquem todas as contas em nome de Nuzman, assim como aquelas em que ele poderia ser beneficiário. 

Os bancos suíços, diante da informação, ainda têm a obrigação de informar às autoridades sobre eventuais contas que possam existir relacionadas com o brasileiro.

+ Robson Morelli: Prisão de Nuzman fecha ciclo

Nesta quinta-feira, o Departamento de Justiça repassou o pedido de cooperação do Brasil ao Ministério Público Federal, em Berna, para que ele seja "executado". Uma ação deve ocorrer nos próximos dias e, diante da urgência do caso, o congelamento pode ocorrer com certa rapidez para evitar a fuga dos recursos. 

Presidido por Nuzman, comitê deve R$ 120 milhões a fornecedores

A decisão de Berna foi tomada depois que uma análise preliminar determinou a existência de fato dos ativos e comprovou que as suspeitas estão baseadas em indícios concretos. Em Genebra, Nuzman teria guardado 16 barras de ouro, enquanto num banco em Lausanne uma outra conta seria ainda também usada pelo cartola brasileiro. 

No mês passado, o Estadão revelou com exclusividade que a polícia brasileira descobriu nos computadores do dirigente e-mails no quais ele se dirigia à Federação Internacional de Atletismo, solicitando que pagamentos fossem realizados a uma conta em Lausanne. A entidade era governada por Lamine Diack, acusado de estar no centro do escândalo de compra de votos para as sedes dos Jogos Olímpicos.

Nuzman argumentou que o e-mail se referia a pagamentos de despesas de seus trabalhos como membro da Comissão de Ética da entidade de Diack. Agora, o MP quer saber todos os depósitos que passaram pela conta, assim como outras movimentações que possam ter envolvido bancos suíços.

Com os documentos em mãos, Berna repassará as informações aos procuradores brasileiros. No caso da Lava Jato, foi justamente a cooperação dos suíços que permitiu desmontar uma ampla rede de pagamento de propinas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.