Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

CBF arrecada R$ 70 milhões com os jogos das Eliminatórias da Copa

Boa campanha da seleção aumenta lucro da entidade graças a estádios cheios e ingressos com valores caros

Leandro Silveira, O Estado de S. Paulo

12 Outubro 2017 | 07h00

Sucesso esportivo dentro de campo, a seleção brasileira também se consolidou como êxito comercial nas Eliminatórias da Copa do Mundo. Para alegria da CBF, acumulou uma receita bruta de R$ 70 milhões nas bilheterias nos nove jogos como mandante. Para alcançar esse valor expressivo, contou com a participação direta do torcedor do Sudeste, que pagou caro para ver a equipe.

+ Deputado falta na Câmara para chefiar viagem da seleção brasileira

+ Treinos do Brasil antes da Copa serão divididos em três países

O auge desse crescimento de arrecadação se deu na última partida do Brasil nas Eliminatórias, a vitória por 3 a 0 sobre o Chile, jogo que registrou renda de R$ 15.118.391,02 no Allianz Parque, a maior da história dos estádios brasileiros.

Os outros dois compromissos da seleção no Sudeste nas Eliminatórias ficaram entre duas das quatro maiores rendas do País. Foi assim nas vitórias por 3 a 0 sobre a Argentina, no Mineirão, com renda de R$ 12.726.250,00 e o maior público no classificatório (53.490), e o Paraguai, no Itaquerão, com arrecadação R$ 12.323.925,00. 

Em comum entre todas essas partidas está o fato de elas terem sido disputadas no segundo turno das Eliminatórias, quando a seleção de Tite já havia recuperado o apoio até do torcedor mais exigente. Com isso, o maior clássico da América do Sul pôde ser, mais uma vez, disputado no Mineirão, enquanto tanto o jogo da classificação para a Copa como o que selou o fim da campanha foram realizados nos estádios de Corinthians e Palmeiras sem o temor de que a equipe recebesse vaias. 

Os cinco primeiros jogos do Brasil como mandante nas Eliminatórias foram realizados no Norte ou no Nordeste e os quatro restantes no Sudeste e no Sul, com preços mais elevados nos ingressos para arquibancadas, camarotes e áreas VIP.

A partir disso, as receitas explodiram, apesar de a Arena do Grêmio não ter lotado no jogo com o Equador. Ainda assim, a renda foi de quase R$ 7,9 milhões, pouco mais de R$ 2 milhões maior que no duelo com maior arrecadação no Norte e no Nordeste, o confronto com a Colômbia na Arena da Amazônia (R$ 5.840.500,50). 

Isso permitiu à seleção fechar os nove jogos como mandante com receita bruta de R$ 70.073.561,52, valor bem superior aos R$ 42,3 milhões auferidos pelo Palmeiras, o líder de renda no Brasileirão de 2016, nas 19 partidas em casa. 

"Só queria agradecer novamente o carinho do torcedor. A gente queria jogar em todos os polos do Brasil. Rio é exigente, São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas. O Nordeste é mais acolhedor", afirmou Tite após o triunfo do Brasil sobre o Chile.

Os R$ 70 milhões arrecadados pela CBF não vão direto para os cofres da entidade. Nos oito primeiros jogos, entraram R$ 18 milhões - o borderô do confronto com o Chile ainda não foi publicado. O restante, entre outras ações, ajuda a entidade a custear a estrutura da seleção.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.