Cesar Greco/ SE Palmeiras
Cesar Greco/ SE Palmeiras

Abel Ferreira revela dilema, cobra órgãos de segurança e diz que pode deixar o Palmeiras

Treinador português avalia recorrentes casos de violência no futebol e afirma que sensação de insegurança pode ser determinante para permanência no País

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2022 | 05h00

Em meio à vitória do Palmeiras, por 2 a 0, diante do Guarani, neste domingo, no Allianz Parque, pela décima rodada do Campeonato Paulista, o técnico Abel Ferreira tirou um tempo para condenar os atos de violência que estão cada vez mais comuns no futebol brasileiro. O treinador ainda cobrou mais responsabilidade de todos os órgãos responsáveis pela segurança a jogadores, comissão técnica e todos os envolvidos em um evento esportivo.

"Hoje entrei aqui nessa coletiva de imprensa, me disseram que tinha havido uma rixa num jogo, inclusive acho que morreu uma pessoa. É preciso morrer quantas mais? Os organismos, quer sejam os do futebol, quer sejam extra-futebol, têm de assumir, dar as caras, exercer os cargos que têm. Têm de justificar o cargo que tem. Quando eu não ganho, pedem responsabilidades. Isso é o que espero que cada pessoa em seu cargo faça, assuma responsabilidades. Pelo bem do futebol brasileiro. De todos nós. Que se junte a CBF, quem organiza estaduais, o Ministério Público, mas que se tomem medidas", disse Abel Ferreira.

O treinador se referiu à confusão em Belo Horizonte, horas antes do clássico entre Atlético Mineiro e Cruzeiro, que resultou em duas pessoas baleadas. No último sábado, inclusive, houve conflito no trem entre membros da torcida organizada do Corinthians e a do São Paulo. Isso sem contar os casos envolvendo os ônibus das delegações de Grêmio e Bahia.

Tamanha a violência, o treinador deu a entender que pode deixar o futebol brasileiro por falta de segurança. O treinador vem sendo um dos destaques da profissão no País, tendo conquistado já quatro títulos em sua curta passagem pelo Palmeiras.

"É preciso passar à ação. Palavras, o vento leva. Isso me preocupa muito. A segurança me preocupa muito. Quando entrei aqui e vi as imagens no México e me dizem que se passa a mesma coisa no Brasil, vou ter de pensar muito bem no que quero para minha família, para mim e meus jogadores", completou.

Por fim, Abel Ferreira exaltou a vida humana e voltou a exigir ações dos órgãos responsáveis. "Jogadores de outros clubes e meus já falaram. Posso ser grande rival, mas tem que ter respeito pela vida humana. No futebol não vale tudo. A vida tem valor. Se vemos isso e não fazemos nada, alguma coisa vai mal. Temos que passar à ação. Estamos à espera de quê?", finalizou o treinador.

A preocupação de Abel Ferreira se dá também pela sequência de clássicos do Palmeiras no Campeonato Paulista, jogos que aumentam o índice de violência. Os próximos compromissos do time alviverde são diante de São Paulo, Santos e Corinthians.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.