Vitor Silva / SS Press / Botafogo
Vitor Silva / SS Press / Botafogo

Jefferson se diz ansioso por recorde pelo Botafogo: 'Vai ser um dia diferente'

Goleiro vai se tornar o terceiro jogador que mais vestiu a camisa do clube carioca

Estadao Conteudo

05 Junho 2018 | 17h02

Perto de se tornar o terceiro jogador que mais vestiu a camisa do Botafogo, o goleiro Jefferson não esconde a ansiedade um dia antes do duelo contra o Ceará, no estádio do Engenhão, no Rio de Janeiro, pela 10.ª rodada do Campeonato Brasileiro, no qual atingirá a marca histórica de 454 jogos pelo time alvinegro.

+ Lindoso pede 'pés no chão' ao Botafogo e cita derrota para lanterna em 2017

+ Valentim vê organização defensiva e pegada como identidades do Botafogo

Ao entrar em campo nesta quarta-feira, Jefferson passará Valtencir, que jogou 453 vezes com a camisa botafoguense, e só terá menos partidas que os ídolos Nilton Santos, que atuou em 721 jogos, e Garrincha, com 621 aparições. "O pessoal pergunta se irei chegar nesses dois. Falo que nem precisa. Estou muito feliz por essa marca", afirmou o goleiro.

Jefferson, que neste ano anunciou a sua aposentadoria ao final desta temporada, mas chegou a dizer que pode mudar de ideia, valorizou o recorde que está perto de quebrar e lembrou do começo de sua trajetória no clube carioca, além de outros momentos bons e ruins.

"Cheguei em 2003 na Série B e uma situação muito difícil. Quando fiquei sabendo que fecharia com o clube foi uma alegria imensa e hoje entro na história", lembrou. "Também tive momentos difíceis, como a eliminação da Copa do Brasil esse ano, a final do Carioca em 2016. Goleiros têm altos e baixos, mas tive muito mais coisas positivas", ressaltou.

O goleiro é um símbolo da história recente do Botafogo. Desde que chegou, precisou superar algumas adversidades, como lesões e críticas, até conseguir se reerguer junto com a equipe e se colocar em um lugar de destaque na história do Botafogo. Pelo time alvinegro, conquistou uma Série B do Campeonato Brasileiro, além de três Campeonatos Cariocas.

"Me senti tão bem que poderia sair, mas não teria o mesmo rendimento do Botafogo. Gosto do Rio e não teria porque sair. Vou chegar a uma marca histórica, não vai parar por aí. Acho que vai cair a ficha depois que eu olhar para trás, quando terminar", concluiu Jefferson.

 

 

Mais conteúdo sobre:
Botafogo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.