Yuri Kadobnov/AP
Yuri Kadobnov/AP

Vladimir Putin comemora Copa na Rússia: 'Mitos e preconceitos ruíram'

Chefe do Kremlin disse que o maior objetivo da Copa foi alcançado: mudar a imagem do país no exterior

Jamil Chade, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2018 | 06h35

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, comemorou o êxito da Copa do Mundo da Rússia e, num discurso, deixou claro que maior objetivo havia sido atingido: mudar a imagem do país no exterior. 

+ Putin, Macron e Kolinda estarão presentes na final da Copa

+ Após êxito na Copa, Rússia já pensa em sediar os Jogos Olímpicos

+ Rússia garante que não vai repetir os problemas do Brasil com 'elefantes brancos'

Putin recebeu a Fifa e o mundo do futebol para uma festa no teatro Bolshoi, em Moscou, na noite de sábado. "A Rússia se preparou para o torneio de forma responsável", disse o chefe do Kremlin. "Estamos felizes que foi um sucesso, unindo milhões de pessoas pelo mundo", afirmou. "Nossos esforços foram bem avaliados por atletas e pela imprensa", disse. 

+ Final da Copa se transforma em palco de preparação para cúpula de Putin e Trump

Mas é o impacto político que mais chamou a atenção de Putin. "Estamos gratos às milhões de palavras positivas que nossos convidados disseram nos últimos tempos à Rússia a ao nosso povo", disse. "Estamos satisfeitos com o fato de que eles gozaram de nossa hospitalidade e abertura", insistiu. "Estamos satisfeitos com o fato de que eles viram tudo com seus próprios olhos e que mitos e preconceitos ruíram", completou. 

 

Gianni Infantino, presidente da Fifa, fez questão de prestar homenagens a Putin. "O mundo, mais de 4 bilhões de pessoas, tem assistido à Copa do Mundo e visto as belezas desse país, rico em sua cultura e história", disse. "O mundo descobriu a Rússia", disse. "Todos esses ingredientes fizeram da Copa não apenas o maior evento do mundo, mas a melhor Copa jamais realizada", completou Infantino. 

Na última sexta-feira, ele já havia feito a mesma avaliação, evitando dar respostas sobre violações de direitos humanos, repressão e censura que também marcaram o evento na Rússia. 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.